Resumo Trabalho

ALUNOS COM PARALISIA CEREBRAL NA ESCOLA, E AGORA?

Autor(es): MARIA DAS GRAÇAS MOURA SANTOS, DHEMERSSON WARLY SANTOS COSTA e orientado por CARLOS AUGUSTO SILVA E SILVA

O despreparo de professores para trabalhar com alunos portadores de necessidades especiais é uma realidade que assola grande parte dos professores da educação básica do país. Destaca-se que a paralisia cerebral é um dos problemas mais recorrente no discurso de muitos professores, haja vista que não tiveram a formação para tal e não dispõe de recursos didáticos que permita a inclusão destes no processo de ensino e aprendizagem. Mesmo diante dessas necessidades latentes na formação desses profissionais, os cursos de formação inicial de professores têm negligenciado, em seus currículos, disciplinas que tratem da questão. Nesse sentido, diante desta lacuna nos projetos pedagógicos destes cursos, as oficinas voltadas ao tema tem se caracterizado como uma importante ferramenta. Assim, este estudo apresentar as contribuições de uma oficina pedagógica voltada para educação inclusiva, no que se refere à paralisia cerebral, para alunos do curso de Pedagogia da UFPA/ALTAMIRA. Para tanto, foi aplicada uma oficina que consistia basicamente na produção de materiais adaptados para alunos com paralisia cerebral. Após a intervenção foi realizado um debate, devidamente registrado em gravadores. Para análise dos dados foi utilizado o software Speech To Text Notepad, que nos permitiu transcrever as falas dos sujeitos. Através dos fragmentos textuais podemos perceber a possibilidade da oficina ao sensibilizar os futuros professores a procurar formas de (re)inventar sua prática pedagógica, bem como revelou que estes não se sentem preparados para atuar com esse público. Assim, ressaltamos neste trabalho a necessidade dos cursos de formação de professores ampliarem em seus currículos disciplinas voltadas a educação especial. Destarte salientar que devemos voltar nos olhos também para formação continuada.

Veja o artigo completo: PDF