Resumo Trabalho

A AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM ESCOLAR NA PERSPECTIVA FORMATIVA: LIMITES E POSSIBILIDADES¹

Autor(es): NÍVEA MARIA COELHO BARBOSA DE ALMEIDA

RESUMO A Relevância que a avaliação educacional tem adquirido em âmbito nacional e internacional, especialmente a partir dos anos 1990, tem repercutido nos intramuros da escola, suscitando reflexões acerca do real papel da avaliação nesse contexto. Duas são as principais vertentes avaliativas praticadas pelos professores: a classificatória e a formativa. A primeira com origem na escola tradicional, privilegia os resultados em detrimento do processo. A segunda, possibilitando professores e alunos à informações e tomada de decisões no processo, oferecendo as condições necessárias para a reorientação e ressignificação das práticas. O estudo buscou desvelar as metodologias avaliativas no interior de uma escola pública estadual do sudeste paraense através da realização de uma pesquisa que promoveu uma análise qualitativa da realidade. A coleta de dados foi efetuada através de entrevistas semiestruturadas, observação não participante e análise documental e análise dos cadernos dos alunos. A pesquisa consistiu em um de estudo de caso. Participaram do estudo 02 Professoras, 03 Orientadores e 50 alunos da 3ª série e 4º ano do Ensino Fundamental. Os dados foram submetidos à análise de conteúdo.Das conclusões do estudo, destaca-se que nas salas pesquisadas, avalia-se prioritariamente na modalidade classificatória, não tendo como foco central a aprendizagem do aluno, mas a transmissão mecânica dos conhecimentos. Os documentos orientadores a respeito da prática avaliativa utilizados na escola pesquisada se encontram incompletos e, portanto, não oferecem o suporte necessário ao trabalho dos professores; os critérios de avaliação são definidos individualmente pelos próprios docentes, não se observou uma prática institucionalizada, com objetivos e metas claras acerca do processo avaliativo dos alunos. Prova disso é o fato de termos constatado durante o estudo, uma grande quantidade de alunos matriculados no 4º ano sem, sequer, identificar o alfabeto.O estudo permitiu também constatar que falta articulação entre o trabalho desenvolvidos pelas docentes com a atuação dos orientadores, porém, apesar desses obstáculos, foi possível perceber que existem tentativas de melhorias das metodologias adotadas, tanto pelos docentes como pelos técnicos, assim, a ressignificação das práticas encontra-se em processo de construção por parte da equipe pesquisada.

Veja o artigo completo: PDF