Resumo Trabalho

AS PLANTAS MEDICINAIS COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA NA DIDÁTICA DO ENSINO DE CIÊNCIAS

Autor(es): MARIA CÍNTIA GOMES, LAURA THAMIRES RODRIGUES DE LIMA e orientado por GEORGE PIMENTEL FERNANDES

O uso pedagógico que se faz de determinados meios para facilitar a aprendizagem devem estar coerentes com a realidade socioeconômica na qual cada escola está inserida, é papel do professor buscar inovações para administrar suas aulas, porém a questão econômica muitas vezes dificulta o processo dinâmico de cada aula. Como alternativa o profissional que atua na educação busca em seu meio novas metodologias que surgem para facilitar o trabalho do professor, mediador de conhecimentos. Nesse sentido se efetiva a busca por uma ferramenta pedagógica que dê subsídios para uma boa manipulação do “processo de transmissão-assimilação” (SAVIANI, 1984, p. 2). É necessário dizer que parte do rendimento satisfatório de cada escola deve-se a didática do professor durante o processo de ensino-aprendizagem. Esse trabalho objetiva discutir qual o papel do professor das disciplinas de biologia e química frente a uma nova proposta de conteúdo que não se prende ao livro didático, mas, que se debruça na relação entre o saber popular e o conhecimento científico. Trata- se de um estudo qualitativo pautado na manifestação do juízo subjetivo dos docentes que ministram as disciplinas de química e biologia, no que concerne a perspectiva de contemplar o conteúdo “Plantas medicinais” e a estratégia didática que pode ser aplicada de acordo com essa temática. Visa discutir as formas metodológicas que cada professor encontra para facilitar o manuseio do assunto de uma disciplina, bem como a “[...] transformação dos saberes científicos em saberes escolares” (MARANDINO, 2004, p. 95), em uma escola situada no sul do Ceará. Pelo fato do anexo da escola em questão estar situado numa área que abrange sítios de baixo rendimento econômico torna-se viável introduzir nas aulas de biologia e química os conteúdos relacionados às plantas medicinais abarcando o conhecimento etnocientífico, já que muitos dos alunos estão em contato com as ervas que, em menor proporção em relação à décadas anteriores, ainda se encontram nos quintais das famílias. Para concluir é de suma importância a realização de reflexões como esta que busca interpretar a didática estabelecida na sala de aula, as questões que influenciam a forma de lidar com o livro didático e os demais saberes que se apresentam ao ambiente escolar. Através dessa interpretação propor estratégias de ensino para compactuar as duas realidades que se contrapõem aos alunos à fim de coadunar a ciência e o saber popular em um só objetivo: tornar a educação uma prática proveitosa para o crescimento pessoal, social e institucional.

Veja o artigo completo: PDF