Resumo Trabalho

"O GUERREIRO TOGADO": NARRATIVA E IDENTIDADES NA OBRA DE PEDRO NUNES.

Autor(es): GIULIANNE CHRISHINA BARROS DOS ANJOS

Este trabalho objetiva analisar a narrativa presente no livro “Guerreiro Togado: fatos históricos de Alagoa do Monteiro” do escritor Pedro Nunes, a partir da perspectiva de que, ao mesmo tempo em que produz representações para os fatos narrados no livro, ele atua no processo de construção de identidades, não só para os agentes históricos do passado, mas para os sujeitos do presente. “Guerreiro Togado” narra os conflitos armados que ocorreram na Paraíba entre os anos de 1911-1912, liderados pelo coronel-bacharel Augusto Santa Cruz, conflitos esses provenientes da região de Alagoa do Monteiro e que estenderam por várias cidades paraibanas. Nesse sentido, a forma como a figura de Augusto Santa Cruz vai sendo construída no decorrer do livro deixa transparecer a relação estreita entre História e Memória, como também a atuação de ambas no processo de construção das identidades. Conservar a Memória local, para Pedro Nunes, significava propiciar aos moradores do presente o conhecimento não só de suas raízes, mas de características suas “natas” que deveriam ser novamente evidenciadas, valorizadas e de fato vivenciadas em seu cotidiano. Pedro Nunes constrói assim não apenas uma impressão, uma representação sua sobre as ações armadas de Augusto Santa Cruz, mas busca situar essas ações no que seria próprio da cultura formadora das pessoas que desse conflito participaram. “Guerreiro Togado” atua, dessa forma, instituindo lugares, formas de ver e dizer não apenas fatos históricos passados, mas também o quê desse passado percorreu os anos e chegou ao presente, compondo a identidade de seus conterrâneos, mesmo que disso não se apercebam.

Veja o artigo completo: PDF