Resumo Trabalho

APROVEITAMENTO DE REJEITOS DA MINA BREJUÍ NA INDÚSTRIA CERÂMICA.

DEBORA SANTOS UMBELINO DE FARIAS, ANA BEATRIZ DANTAS DE ALMEIDA, ISAMAR ALVES DE SÁ, ITALO FELIPE DA SILVA e orientado por MARCONDES MENDES DE SOUZA e orientado por MARCONDES MENDES DE SOUZA

A mineração na Mina Brejuí, situada no município de Currais Novos/RN, é caracterizada pela extração do bem mineral Scheelita (tungstato de cálcio), enquanto, por outro lado, não há um devido aproveitamento da sua rocha matriz, o mármore, sendo o mesmo descartado em pátio de estocagem de estéril, causando um considerável impacto ambiental. Na Brejuí, a Scheelita é encontrada no contato de mármore com metassedimentos ou rochas intrusivas, no interior dos paragnaisses e é explorada por meio de lavra subterrânea a uma profundidade de mais de 900m, dividido em oito níveis com 65 km de túneis por toda a mina e variação de temperatura de 19°C a 43°C. O trabalho em estudo tem como objetivo avaliar o comportamento da adição do rejeito de mármore oriundo da extração da Scheelita na formulação da massa cerâmica. Para as análises, as amostras coletadas foram cominuídas pelo método de britagem num britador de mandíbulas e moídas em moinhos de bolas de alumina, peneiradas em uma série de peneiras na escala Tyler 100#, 150# e 200#, quarteadas e, logo após, caracterizadas pelo método de análise química por Fluorescência de Raios-X (FRX), que indicou um alto teor de CaO (96%). Com isso, as análises comprovaram que o resíduo de mármore atua como fundente na massa cerâmica e os corpos de prova feitos foram sinterizados a 1200°C e, logo após, submetidos aos testes de absorção de água e retração linear de queima. O estudo feito mostra, portanto, que a incorporação do mármore atende aos parâmetros necessários para a produção da cerâmica branca, além de ser econômica e ambientalmente viável. Recomenda-se, ainda, que outros ensaios laboratoriais sejam realizados para aprofundar os conhecimentos físicos, químicos e tecnológicos que rocha causa em formulações de massa cerâmica.

Veja o artigo completo: PDF