Resumo Trabalho

ANÁLISE DO ÍNDICE DE ESTADO TRÓFICO DO AÇUDE QUIXERAMOBIM-CE

GABRIELA DOMINGOS LIMA, LUCAS DA SILVA e orientado por LUCAS DA SILVA e orientado por LUCAS DA SILVA

Entende-se que, pelo motivo da região semiárida apresentar frequentes problemas de estiagem, principalmente por manifestar evaporações mais intensas que as precipitações, criou-se o programa de açudagem pelo Departamento Nacional de Obras Contra Secas (DNOCS), no intuito de possibilitar melhor acesso à água aos moradores que sentiam-se prejudicados com a seca. Com isso, melhorou-se significativamente a vida no Sertão Cearense, dessa forma, vários açudes foram criados, dentre eles, foi originado o Quixeramobim no Estado do Ceará. A sua criação foi fundamental para a qualidade de vida das pessoas, visto que, o recurso hídrico torna-se disponível por mais tempo. Porém este recurso encontra-se sujeito a poluições antrópicas e naturais, causando o que chamamos de eutrofização do corpo hídrico. Com isso, o objetivo desse estudo é calcular o Índice de Estado Trófico – IET do açude Quixeramobim nos anos de 2012 a 2015; e analisar quais as problemáticas relacionadas à qualidade da água. O ano de 2016 não foi analisado, pois foi o período em que o referido açude chegou a 0% do seu volume total. Após a realização de análise detalhada, verificou-se que há relação entre a diminuição do volume de água e o aumento de IET do corpo hídrico em questão. Os anos de 2012 e 2013 apresentaram os melhores índices quando comparados com 2014 e 2015, mas ainda assim com classificação eutrófica, sendo eles respectivamente 61,49 e 62,52. Os anos de 2014 e 2015 apresentaram classificação hipereutrófica, com valores de 71,76 e 72,65, ou seja, com a proximidade da seca total do açude, o Índice de Estado Trófico aumentou, passando de eutrófico para hipertrófico.

Veja o artigo completo: PDF