Resumo Trabalho

A ANOMALIA DE CHUVAS NO ANO 2016 NO SEMIÁRIDO PARAIBANO

ELITON BEZERRA BARBOSA, BEATRIZ DE ALMEIDA GOMES, MARY WILLIANY ALVES DOS SANTOS CARLOS, FELIPE ALVES DA NÓBREGA e orientado por DANIELLE GOUVEIA DE ARAÚJO e orientado por DANIELLE GOUVEIA DE ARAÚJO

A pluviometria paraibana possui características que variam espacialmente e no decorrer dos anos. O semiárido além de ser caracterizado pela baixa pluviometria, possui altas temperaturas, constante escassez de água que aliados a ações humanas degradam o solo, a vegetação e os recursos hídricos. O resultado direto da má distribuição de precipitação no semiárido são as secas. Frente a necessidade do melhor conhecimento dos períodos de estiagens, fator que acomete ciclicamente o semiárido paraibano, neste trabalho objetivou-se calcular e especializar o índice de Anomalia de Chuvas da região no ano 2016. A análise foi realizada com a aquisição dos dados de estações meteorológicas de precipitação diária de séries históricas de pelo menos 25 anos para cada estação, em um total de 75 estações meteorológicas diferentes, distribuídas em todas mesorregiões do semiárido do estado da Paraíba. Com as informações, calculou-se os Índices de Anomalia de Chuvas para cada estação meteorológica em 2016 do semiárido paraibano e os classificou. O software QGIS 2.14.3 permitiu especializar as informações para todo o semiárido, onde gerou-se o mapa do comportamento das anomalias pluviométricas. Para o ano de 2016, 77,33% das estações meteorológicas analisadas neste trabalho apresentaram algum tipo de seca, evidenciada pelo déficit hídrico da anomalia da precipitação acumulada durante o ano, sendo que 37,33% foi do tipo seca suave, 20,00% do tipo seca moderada, 12,00% do tipo seca alta e 8,00% do tipo extremamente seco. Em contrapartida, 5,33% das estações analisadas apresentaram anomalias positivas, isto é, excedente hídrico em relação à série histórica, enquanto 17,33% das estações se mantiveram sem anomalias. Ao especializar as informações, apenas 0,83% de toda área apresentou anomalia de excesso pluviométrico, enquanto 5,42% da região não apresentou nenhum tipo de anomalia, e 93,74% do semiárido paraibano foi acometido por algum tipo de seca. Nesta perspectiva, tem-se que 28,56% do semiárido paraibano foi acometido por seca suave, 54,35% por seca moderada, 9,85% por seca alta e 0,99% e foi classificada como extremamente seca.

Veja o artigo completo: PDF