Resumo Trabalho

ALTERNATIVAS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: DEGRADAÇÃO E CONSERVAÇÃO NO SEMIÁRIDO

TIAGO SILVA DE LIMA, AMANDA RAFAELA FERREIRA SOUZA, ADRIELLY DE LIRA MOREIRA, BRUNA ALVES MARTINS e orientado por MERILANE DA SILVA CALIXTO e orientado por MERILANE DA SILVA CALIXTO

Os estudos ligados à temática ambiental encontram-se em grande evidência são foco de interesse de vários segmentos da sociedade. A educação contextualizada é concebida como processo dinâmico de construção de conhecimentos e atitudes dos seres humanos, considerando o ambiente no qual está inserido. A intenção é formar pessoas que atuem como agentes multiplicadores de novas visões. O objetivo desse trabalho foi analisar as atitudes socioambientais de alunos da Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio Maria do Socorro Ramalho Quirino, município de Imaculada, Paraíba, relacionadas a alternativas sustentáveis no semiárido. A pesquisa foi realizada na Escola Estadual de Ensino Fundamental e Médio Maria do Socorro Ramalho Quirino, município de Imaculada, Paraíba. Os dados foram coletadas por meio de 11 afirmativas construídas no modelo da escala de Likert, com 5 níveis de respostas. Foram entrevistados 44 alunos que tinham ente 16 e 37 anos, sendo 34,09% (n=15) do sexo masculino e 65,90% (n=29) do sexo feminino. A maior parte dos alunos entrevistados, 63,6% (n=28), concordaram completamente que o desenvolvimento sustentável visa à utilização dos recursos naturais e da natureza de modo a garantir sua disponibilidade para as gerações futuras, indicando assim que entendem que o desenvolvimento sustentável é necessário para preservação do meio ambiente e assegurar para que vivamos em um planeta melhor, com qualidade de vida. Os estudantes do ensino médio de Imaculada, Paraíba, demonstram postura socioambiental adequada na maioria dos aspectos, porém, necessitam ainda ações educativas voltadas para degradação e conservação no semiárido. Para que isso ocorra é necessário um modelo integrado e que vise a participação de todos os setores da sociedade onde todos possam ser ouvidos e beneficiados. Ou seja, a política de desenvolvimento deve ser centrada no ser humano com suas possibilidades e limitações, onde cada um possa dar sua contribuição ao coletivo, Portanto cabe à escola o papel de difusora do conhecimento, seja na formação de alunos, promovendo programas de educação ambiental, nos diversos níveis de ensino, procurando servir à comunidade, não de longe mais bem de perto.

Veja o artigo completo: PDF