Resumo Trabalho

ANÁLISE DA EFICÁCIA DO DECOCTO DA FOLHA DE CAJÁ (SPONDIAS MOMBIN L) COMO ANTISSÉPTICO NATURAL

CAMILA FERNANDES LEONÊZ, MARCOS SAULO PATRÍCIO DE SOUSA, GARDÊNIA SILVANA DE OLIVEIRA RODRIGUES, TAYNÁ MOURA MATOS e orientado por FRANCISCO MARLON CARNEIRO FEIJÓ e orientado por FRANCISCO MARLON CARNEIRO FEIJÓ

É notório um aumento cada vez maior de micro-organismos resistentes a substâncias antimicrobianas convencionais. Com isso, tem-se buscado alternativas naturais com o uso de extratos de plantas medicinais, que tem a finalidade de encontrar novos compostos com atividade antimicrobiana reconhecida. Este trabalho tem como objetivo mostrar a eficácia do decocto da folha do cajá (Spondias mombin L.) utilizando a técnica de diluição em microplaca, frente a estirpes bacterianas de Staphylococcus sp oriunda de leite de matrizes caprinas leiteiras. O produto da decocção foi usado em concentrações de 1:1, 1:2, 1:4 e 1:8 e o clorafenicol foi usado como controle positivo na quantidade de 1mg/ml. Essas concentrações e o controle positivo foram testados no dia 0 e 7 dias após armazenamento a temperatura ambiente (37ºC) e refrigerada (8ºC). Os testes foram realizados no leitor de absorbância, nos poços de microplaca contendo meio de cultura BHI com a concentração dos decoctos e o inoculo. A leitura foi feita na hora 0 e na hora 24 de cada dia. Utilizou-se o teste de Tuckey a 5% de probabilidade para comparar as médias entre os tratamentos estudados. O decocto da folha do cajá foi ativo aos micro-organismos testados em concentrações de 100% e 50% em todas as situações mostradas, em relação a temperatura e ao tempo de armazenamento.. O decocto pôde inibir as cepas de Staphylococcus sp quando nas concentrações de 1:1 e 1:2 seja ele refrigerado ou não, desde que dentro dos 7 dias em que foi testado.

Veja o artigo completo: PDF