Resumo Trabalho

AVALIAÇÃO DE ESTRUTURAS PARA JARDINS FLUTUANTES COMO ALTERNATIVA NO TRATAMENTO DE ÁGUAS DE AÇUDES URBANOS

ELIS GEAN ROCHA, VICTOR EMMANUEL AVELINO GOMES BAHIA, PAULO MARCELO SOARES PINTO, JEFFERSON ROCHA TRINDADE e orientado por PATRÍCIA HERMÍNIO CUNHA FEITOSA e orientado por PATRÍCIA HERMÍNIO CUNHA FEITOSA

O presente estudo foi desenvolvido na Universidade Federal de Campina Grande, Paraíba, onde um riacho poluído despeja suas águas em um canal de drenagem e este, por sua vez, desemborca em um pequeno açude localizado na parte central do campus. Com o intuito de dar suporte ao desenvolvimento de sistemas de jardins flutuantes capazes de tratar água poluídos, nesse trabalho, foram avaliados dois diferentes tipos de estruturas para os módulos, buscando o uso de materiais de baixo custo que possam ser funcionais na montagem do sistema. As estruturas foram testadas em um modelo experimental composto por tanques. Os parâmetros avaliados foram: oxigênio dissolvido (OD), temperatura, pH, condutividade elétrica, turbidez, demanda bioquímica de oxigênio (DBO) e demanda química de oxigênio (DQO). As análises foram realizadas nas amostras de água coletadas semanalmente nos três tanques, num total de sete campanhas, e seguiram a metodologia laboratorial determinada pelo Standard Methods for the Examinator of Water and Wastewater. Ao fim desse estudo, pode-se concluir que a estrutura construída com esponja é viável e funcional, porém a estrutura feita de PVC apresentou muito problemas, principalmente em relação à estabilidade e impermeabilização. Dentro os parâmetros monitorados o que apresentou os melhores resultados foi a turbidez, tendo índices de remoção de 65% no tanque contendo a estrutura de PVC com substrato de bagaço de cana-de-açúcar e 60% no tanque com a estrutura de PVC e substrato de vagem de feijão, em relação à mesma concentração do tanque da prova em branco, sem nenhuma estrutura. Os outros parâmetros não apresentaram resultados significativos, sendo indicado um tempo maior de observação e coleta de dados.

Veja o artigo completo: PDF