Resumo Trabalho

A CONTRIBUIÇÃO DOS PROGRAMAS P1MC E P1+2 PARA A POPULAÇÃO RESIDENTE NA COMUNIDADE SÍTIO ROSENOS NO MUNICÍPIO DE SANTANA DO CARIRI - CE

MARIA LUCINEIDE GOMES DA SILVA, RUDÁ PEIXOTO TELES, SÓSTENES GOMES DE SOUSA, BRENDA MANUELE DA ROCHA LIMA e orientado por PAULO SÉRGIO SILVINO DO NASCIMENTO e orientado por PAULO SÉRGIO SILVINO DO NASCIMENTO

Historicamente, secas prolongadas acompanham a trajetória das gerações de pessoas que habitam em regiões semiáridas do nordeste brasileiro. Ao longo dos anos observamos a busca frustrada pela solução dessa calamidade. Apesar de inúmeras políticas públicas implementadas ao longo da história na região, observa-se que as mesmas se revelaram incompletas e desintegradas, pois, a cada novo governo estas políticas são interrompidas e/ou alteradas. Como mudança deste paradigma, destaca-se o Programa 1 Milhão de Cisternas (P1MC), uma iniciativa de uma organização civil que evoluiu para uma política pública. Com isso objetivamos com esse estudo analisar a contribuição deste projeto para melhoria na qualidade de vida dos habitantes da comunidade Sítio Rosenos localizado na área rural do distrito de Dom-Leme, município de Santana do Cariri-CE. Para execução desta pesquisa realizaram-se expedições técnicas e aplicação de questionários pré-estruturados às 22 famílias residentes na comunidade. Constatou-se que todas as famílias entrevistadas possuem cisternas. A pesquisa revelou que a comunidade utiliza quatro categorias de cisternas: artesanais, placas, enxurrada e calçadão, sendo os três últimos adotados nos programas da Articulação do Semiárido (ASA) P1MC e (P1+2). Esses programas foram implantados na comunidade a partir do ano de 2007. Constatou-se que as atividades de cultivos de hortaliças propostas no P1+2, não foram executadas pela maioria das famílias, contudo, elas utilizam as águas das cisternas para realização de outras atividades geradoras de renda. Destaca-se a necessidade de se conhecer as potencialidades e características individuais de cada comunidade antes da implantação dos programas, assim como uma melhor efetivação da fiscalização e acompanhamento.

Veja o artigo completo: PDF