Resumo Trabalho

APLICAÇÃO DO MÉTODO DIRETO VOLUMÉTRICO PARA MENSURAÇÃO E ACOMPANHAMENTO DA VAZÃO DE NASCENTE NA SERRA DA CAIÇARA, NO MUNICÍPIO DE MARAVILHA, ALAGOAS

ÁLVARO DOS SANTOS, GABRIEL DO NASCIMENTO ALVES e orientado por ANA PAULA LOPES DA SILVA e orientado por ANA PAULA LOPES DA SILVA

O semiárido nordestino é marcado por regimes pluviométricos irregulares e o sertanejo convive, historicamente, com a escassez de água. Logo, a presença de fontes de água como as nascentes são de relevante importância para a manutenção da vida e desenvolvimento de suas atividades. Apesar da relevância, estudos sobre nascentes no semiárido são muito fragmentados. A mensuração e acompanhamento da vazão das nascentes do município de Maravilha, Alagoas, durante os anos de 2015 e 2016, da continuidade ao ciclo de medições realizados desde 2014, e tem como objetivo além de seu monitoramento, caracterizar suas potencialidades de uso. A pesquisa foi realizada na Serra da Caiçara, localizada no município de Maravilha, Estado de Alagoas, na Microrregião geográfica de Santana do Ipanema e Mesorregião Geográfica do Sertão Alagoano. A nascente em estudo está localizada na Serra da Caiçara, que possui uma altitude de 839 m. Sua localização exata encontra-se nas coordenadas 09°15'06.0" S e 37°20'42.1" W. A medição das vazões foi feita utilizando-se o método direto volumétrico, que consiste em calcular o tempo gasto em que um determinado fluxo de água leva para ocupar um recipiente de uso conhecido. Para isso, utilizou-se cronômetro e balde de 12 litros, que equivale a 0,012 m³. Foram feitas 3 medidas a cada mês para que fosse feita uma média da vazão mensal. A partir dos dados da vazão, a nascente em estudo foi classificada como perene, uma vez que essa manifesta-se durante todo ano e apresenta variações ao longo do mesmo. Os maiores valores observados nesse período foram nos meses de agosto e setembro do ano de 2015, seguidos de uma considerável queda, mantendo-se assim até o mês de fevereiro de 2016 quando volta a subir novamente. A vazão no ano de 2016 foi marcado por algumas oscilações, se diferenciando do ano anterior que se manteve mais homogêneo. A constante vazão dessa nascente durante o ano oferece água suficiente para o desenvolvimento de uma série de atividades na Serra da Caiçara. Além de garantir segurança hídrica na região, os moradores utilizam esse recurso para alimentar animais e para atividade de irrigação. Após o ciclo de mensuração da vazão, foi possível concluir que: a nascente em estudo na Serra da Caiçara é perene, pois apresentou disponibilidade hídrica durante todo o ciclo de mensuração da vazão; os maiores valores da vazão foram nos meses de agosto e setembro de 2015 enquanto os menores valores foram nos meses de março e junho de 2016; a nascente oferece considerável capacidade de uso, desde que de maneira sustentável.

Veja o artigo completo: PDF