Resumo Trabalho

CINEMA E DIREITOS HUMANOS: TATUAGEM E O INDIVÍDUO MARGINAL ANTES DA CONSTITUIÇÃO DE 88

Autor(es): LARAH DINIZ AZEVEDO, JOYCE KAYNARA SILVA GOMES e orientado por LUCIRA FREIRE MONTEIRO e orientado por LUCIRA FREIRE MONTEIRO

Os laços entre Cinema e Direitos Humanos são extensos e conhecidos, vez que as imagens, os movimentos e os sons testemunham e interpretam as situações promovendo debate, reflexão e empatia. Deste modo, o presente trabalho utilizou o método indutivo para realização de pesquisa analítica descritiva, utilizando para tanto aparato filmográfico, bibliográfico e documental, sobre o Filme Tatuagem, do diretor Hilton Lacerda. Objetivou-se à análise do contexto histórico, social e antropológico retratado no “Chão de Estrelas”; os efeitos jurídicos das garantias positivadas pela Constituição de 1988 para o indivíduo marginalizado e a importância da performance do corpo individual e coletivo na luta pelos Direitos Civis, pela Democracia e pelas pautas LGBTs. Tatuagem é, assim, palco de um tipo de narrativa diferenciada ditatorial que valoriza e faz brilhar os paetês, a voz dos excluídos.

Veja o artigo completo: PDF