Resumo Trabalho

OLHAR DOS ESTUDANTES DO CURSO DE MEDICINA SOBRE A AURICULOTERAPIA

Autor(es): CLÁUDIA MARIA DA SILVA BRITO, DANIEL RANIELLE BARBOSA DA CÂMARA, GLEICIA SOUZA DA SILVA LOPES, JANAÍNA MEDEIROS DE OLIVEIRA SOUSA e orientado por MARIA DO SOCORRO TRINDADE MORAIS

As Práticas Integrativas e Complementares (PICs) foge da racionalidade do modelo médico dominante, da medicina especializada, tecnológica e mercantilizada, enquanto adota uma postura holística e naturalística diante da saúde e da doença. Desse modo, as PICs criticam na medicina alopática, o reducionismo biológico, o mecanicismo e a ênfase na doença e não no doente. O estudo permitiu analisar o olhar dos estudantes do curso de medicina da UFPB quanto à prática da auriculoterapia no cuidado em saúde. Foram realizadas nove entrevistas com alunos do segundo período do curso. Os dados foram analisados à luz da análise de conteúdo. Os resultados mostraram que a auriculoterapia torna-se um recurso útil na promoção da saúde, sobretudo, porque estabelece uma compreensão abrangente do processo saúde-doença, em que se destaca a perspectiva holística e o empoderamento individual. A pesquisa também apontou que a inserção dos estudantes nas novas práticas terapêuticas, a partir da extensão universitária, vem possibilitando ampliar o olhar sobre o cuidado em saúde, sendo a auriculoterapia percebida como terapia complementar para cuidar, sobretudo, do sofrimento difuso, mal estar que acomete muitos usuários que acessam os serviços de Atenção Primária à Saúde. Destaca-se que há também o interesse e uso das PICs em várias especialidades médicas, inclusive nas mais dramáticas, como cuidados paliativos, cujos limites terapêuticos são muito evidentes, os danos dos tratamentos são muito relevantes e onde a qualidade de vida é cada vez mais levada em consideração, geralmente utilizando as PICs de maneira complementar.

Veja o artigo completo: PDF