Resumo Trabalho

VIVENDO COM UMA DOENÇA SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEL: DERIVAÇÕES ENTRE O FÍSICO, O PSÍQUICO E O SOCIAL EM ADOLESCENTES INFECTADOS E O USO DE TÉCNICAS MINDFULNESS E DE NEUROLINGUISTICA COMO ALTERNATIVA TER

Autor(es): FLÁVIA CRISTINA MORONE PINTO, ÁRINA JAÍNE CRISTOVÃO, SEBASTIÃO MANOEL DE SOUSA, LUIZ CARLOS PAIVA DE SOUZA e orientado por FLÁVIA CRISTINA MORONE PINTO

As Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST) acompanham a humanidade desde os tempos mais remotos, e além de comprometerem o físico e estarem associadas a estigmas sociais. A adolescência é uma das etapas do desenvolvimento humano que se caracteriza por alterações físicas, mentais e sociais, e é nesta fase que se inicia a construção da sua própria identidade social, sexual e de gênero. Este trabalho visa despertar nos adolescentes o autoconhecimento, o emponderamento e o resgate da consciência, por meio de técnicas Programação Neurolinguística (PNL) e Mindfulness (atenção plena). Acredita-se que a aplicação de técnicas de PNL e Mindfulness, sejam terapias integrativas e complementares, que possam colaborar para o autodesenvolvimento global e o desenvolvimento pessoal, despertando a percepção consciente das experiências internas em adolescentes que estejam vivendo com uma IST, entendendo-se as possíveis derivações entre o físico, o psíquico e o social. Trata-se do relato de casos, alinhados metodologicamente a partir de um estudo experimental de natureza quanti-qualitativa. A partir do perfil traçado foi projetado um plano terapêutico utilizando as ferramentas de PNL e de Mindfulness. O estudo foi desenvolvido na cidade de Vitória de Santo Antão – PE, em uma casa de acolhimento. Foram recrutados três participantes, que constituem este relato de casos, sendo chamados de A, B e C como garantia do anonimato e sigilo das informações. Foram usadas técnicas de PNL e de Mindfulness. Com a finalidade de mensurar a labilidade socioemocional dos adolescentes antes e pós-intervenção terapêutica foi utilizado um escore de risco: 36 pontos indicada labilidade socioemocional acentuada. O estudo foi aprovado pelo Conselho de Ética e pesquisa (CEP) sob número, 1.887.966, de 10 de janeiro de 2017. Foram realizadas intervenções entre os dias 10-07-2017 à 09-08-2017. Foi realizado o acompanhamento dos adolescentes A, B e C, com 12, 16 e 17 anos de idade, respectivamente, sendo A e B do sexo feminino e C do sexo masculino. Residentes na cidade da Vitória de Santo Antão, PE, especificamente na casa de acolhimento, sob guarda do conselho tutelar municipal e vara da infância e juventude. O adolescente A, no decorrer das intervenções consecutivas, obtive-se as seguintes pontuações: 27, 29 e 25 pontos, demonstrando que houve uma tendência alteração positiva no estado de labilidade socioemocional. Com o adolescente B, os três encontros geraram 37, 16 e 23 pontos, indicando que o processo terapêutico alterou o nível de risco de labilidade. O adolescente C teve no decorrer do processo uma alteração nos seus resultados de risco, porém, ainda se encontra no grupo de baixo risco, obtiveram-se os seguintes resultados, 20, 14 e 19 pontos. Apesar deste estudo apresentar resultados preliminares, acredita-se que pelos desfechos encontrados até o momento há uma trilha de otimismo no uso das ferramentas de PNL e Mindfulness como alternativa terapêutica.

Veja o artigo completo: PDF