Resumo Trabalho

AS EMOÇÕES E AS PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES EM SAÚDE

Autor(es): RENATA SHIRLEY DA SILVA FERREIRA

Neste artigo trataremos, através de uma revisão bibliográfica, que o processo de adoecimento e saúde está vinculado às emoções e a importância em buscar uma educação emocional, uma vez que as emoções desempenham um papel importante no processo de saúde e doença do indivíduo. Vivemos numa época em que a medicina tradicional ocidental vem enfrentando um momento de profunda desconfiança, descrença e crítica quanto a seus métodos terapêuticos, abrindo espaço cada vez mais para a procura pelos métodos complementares e integrativos de tratamento. Tal busca se faz uma vez que estes métodos veem o ser humano do ponto de vista integral, holístico, ponto de vista desprezado, em grande parte, pela medicina tradicional. As práticas integrativas e complementares em saúde, terapias que visam o cuidado integral, podem contribuir no equilíbrio e qualidade de vida do ser humano, sendo, portanto, uma alternativa na busca do autoconhecimento e equilíbrio emocional, uma vez que estas tem como foco o olhar do ponto de vista integral para o indivíduo, e leva em consideração os aspectos emocionais, uma vez que entende que estes influenciam na sua qualidade de vida. Essas práticas usam de métodos terapêuticos que buscam integrar no ser humano junto ao físico, os aspectos mentais, emocionais e espirituais. Partem do princípio da harmonia entre o que se pensa, sente, fala e como atua, para que o indivíduo entre em conexão consigo, encontrando equilíbrio e harmonia. Nosso objetivo é percorrer, através da análise da medicina psicossomática como as emoções podem desencadear um adoecimento no corpo físico e como as práticas e a educação emocional podem contribuir para o equilíbrio emocional do indivíduo. Observamos que práticas como Tai Chi Chuan, Yoga, Terapia Floral e Reiki podem auxiliar-nos na busca pelo autoconhecimento, e a fazer essa busca interior, com mais consciência, transmutando hábitos de vida, de maneira a contribuir no enfrentamento das situações e problemas do dia a dia, encontrando uma maneira saudável de viver. Também concluímos que no que tange a uma educação emocional é preciso que deixemos as emoções ter seu ciclo no momento em que elas acontecem. Aprendemos a reprimir as emoções: um aprendizado completamente errado. Dessa forma estas emoções servem de aprendizado no processo cotidiano e evolutivo, sem interferir na nossa qualidade de vida.

Veja o artigo completo: PDF