Resumo Trabalho

O CAPITAL SOCIAL NA EQUIPE DE SAÚDE DO CPICS EQUILÍBRIO DO SER

Autor(es): RAFAELA KLEINHANS PEREIRA e orientado por GUSTAVO FERREIRA DA COSTA LIMA

Para atender os objetivos da Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares de Saúde (PNPIC) foram estabelecidas uma série de diretrizes, a eficácia destes tratamentos alternativos implementados no Sistema Único de Saúde é influenciada pelo Capital Social da rede de profissionais envolvidos na construção e desenvolvimento desta política, dependendo de um novo perfil profissional de assistência em saúde com o intuito de promover uma abordagem mais humanizada se preocupando com o fenômeno de cura, através da promoção do autocuidado em contrapartida ao modelo biomédico que geralmente adota uma postura agressiva da assistência médica. O Capital Social é relacionado ao desenvolvimento de Políticas Públicas e diz respeito a capacidade de coesão social, estabelecida por meio de relações de confiança que gerem cooperação entre os indivíduos em prol de um interesse coletivo. Afinal, para que se estabeleça um caráter mais holístico no atendimento institucional à saúde, é fundamental que os profissionais que realizam esta nova abordagem sejam qualificados diante de uma visão mais holística da saúde e de seu papel no fenômeno de cura, onde as relações interpessoais entre a equipe de saúde sejam positivas de modo a atender os propósitos desta PNPIC. O Centro de Práticas Integrativas e Complementares de Saúde Equilíbrio do Ser localizado no município de João Pessoa-PB é um Centro do SUS especializado referência nacional em PICS, composto por uma equipe multidisciplinar - responsável pelo atendimento terapêutico além de uma equipe responsável pelos serviços gerais. O objetivo deste estudo foi o de avaliar se a presença de Capital Social é positiva na equipe de saúde do Equilíbrio do Ser buscando compreender o sentido e as motivações dos agentes envolvidos na construção e desenvolvimento do CPICS. A metodologia se baseou na pesquisa bibliográfica, na aplicação de questionários estruturados, no uso de entrevistas semiestruturadas e na observação direta participante no cotidiano do Centro. O questionário estruturado foi adaptado do Questionário Integrado para Medir Capital Social (QI-MCS) desenvolvido pelo grupo temático do Banco Mundial (GROOTAERT, et al. 2003). A aplicação do questionário foi utilizada para avaliar o Capital Social dos agentes de saúde, incluindo apenas os funcionários do Centro Equilíbrio do Ser. Esse recorte se justificou, porque foi considerado que estes são potencialmente atores mais constantes para avaliar a eventual construção do Capital Social na experiência do Centro, foram entrevistados 25 dos 39 funcionários. Os resultados apontaram para boas relações interpessoais através da promoção de atividades em grupo, participação na tomada de decisões, inserção em rede de informações das PICS e formação continuada promovida pela Coordenação do Centro. A insatisfação diante o atendimento das demandas manifestadas pelos servidores ao governo e líderes locais na tomada de decisões demonstrou ter níveis intermediários. Por fim, buscar estratégias que promovam o fortalecimento do Capital Social, incorporando variáveis sociais que afetam a saúde pública, é uma maneira de potencializar a promoção da saúde.

Veja o artigo completo: PDF