Resumo Trabalho

DANÇAS MEDITATIVAS DE TARA DHATU: RELATO DE SEIS ANOS DE EXPERIÊNCIA NO PROJETO AMANHECER DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA

Autor(es): LILIETE CANES SOUZA

As Danças Circulares Meditativas de Tara Dhatu, que utilizam Meditação em Dança com Práticas do Budismo Tibetano, estão entre as mais de vinte Práticas Integrativas e Complementares (PICS) que são oferecidas aos usuários e participantes do Projeto Amanhecer do Hospital Universitário Polydoro Ernani de São Thiago da Universidade Federal de Santa Catarina (PA-HU-UFSC). A Portaria nº 849, de 27 de março de 2017 do Ministério da Saúde incluiu novas práticas na Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no âmbito do Sistema Único de Saúde, entre elas a Dança Circular, a Meditação e a Musicoterapia. As conceituações descritas na Portaria nº 849 para estas práticas, compilam os benefícios das Danças Meditativas de Tara Dhatu, que utilizam meditação em dança circular com musicalização, durante a prática terapêutica. Assim o presente estudo objetiva relatar a experiência de seis anos com as Danças Meditativas no PA-HU-UFSC e justifica-se na necessidade de divulgar a experiência com as Práticas de Danças Meditativas legitimando sua importância entre as PICS oferecidas no PA-HU-UFSC. O quantitativo de pessoas que procuraram esta prática e que frequentaram os encontros foi descrito no presente estudo anualmente, no período de 2011 a 2016. Observou-se que em todos os anos, várias pessoas procuraram esta prática para conhecer as atividades. De 2011 a 2013 os encontros foram semanais (sextas-feiras), de 2014 a 2016, além dos encontros semanais também houve um encontro mensal (sábado). No ano de 2011, as práticas iniciaram no mês de agosto e como foi o primeiro ano em que as Danças Meditativas foram oferecidas no PA-HU-UFSC, houve um pequeno número de participantes (n = 13). Nos anos que se seguiram, com a divulgação da prática, um número crescente de pessoas passou a procurar pelas Danças Meditativas. O ano de 2015 apresentou a maior procura (n = 81) e o maior número de participantes (n = 43). O ano de 2016 apresentou uma diminuição importante do número de participantes (n = 25) quando comparado a 2015, pois as práticas semanais só foram oferecidas de março a maio, sendo apenas o encontro mensal mantido até o final deste ano. Com base em depoimentos das participantes concluiu-se que as Danças Meditativas proporcionaram melhoria da qualidade de vida das pessoas, promovendo tratamento não convencional e unindo as dimensões do corpo, da mente, das emoções e do espírito.

Veja o artigo completo: PDF