Resumo Trabalho

PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES NO SUS DESAFIOS E POSSIBILIDADES: UMA REVISÃO INTEGRATIVA DA LITERATURA.

Autor(es): IARA RAYANE SILVA DE OLIVEIRA, EDJERLANE HIPÓLITO DE SALES e orientado por MÉRCIA MARIA DE SANTI ESTÁCIO.

Introdução: A Organização Mundial da Saúde (OMS) tem reconhecido a importância das chamadas Medicinas Alternativas e Complementares (MAC) em todo o mundo (SILVA, TESSE;2013). A partir disso, a OMS estimula a implantação da chamada Medicina Tradicional, lançando em 2002 e 2003, documentos e resoluções com orientações para a referida implantação(SOUSA,2012). Com base nessas práticas não convencionais, no Brasil em 2006 foi lançada a Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC), que contempla sistemas médicos complexos e recursos terapêuticos, como acupuntura, homeopatia, plantas medicinais e fitoterapia, termalismo e medicina antroposófica. Tais abordagens buscam estimular os mecanismos naturais de prevenção de agravos e recuperação da saúde por meio de tecnologias eficazes e seguras, com ênfase na escuta qualificada, no desenvolvimento do vínculo terapêutico e na integração do ser humano com o meio ambiente e a sociedade. (BRASIL,2006). Objetivo: Mediante tais considerações objetiva-se sumarizar na literatura estudos a respeito das Práticas Integrativas e Complementares em Saúde (PICS) e como acontece a oferta dessas práticas no Sistema Único de Saúde(SUS). Metodologia: Trata se de uma revisão integrativa da literatura acerca das Práticas Integrativas e Complementares em Saúde. Para a realização da revisão foram delimitadas as seguintes etapas: a primeira foi a escolha do tema, e da elaboração da questão norteadora da pesquisa, a saber: Qual é a oferta das PICS no Sistema Único de Saúde, respectivamente. A segunda etapa contempla os passos seguidos para construção da revisão, que são: identificar os descritores, pesquisar as fontes secundárias e primárias ler criticamente e discutir a literatura. Para a consolidação da revisão, foi realizada a coleta dos dados por meio da Biblioteca Virtual em Saúde (BVS), usando os seguintes descritores: Terapias complementares; Pessoal de Saúde; Sistema Único de Saúde. Resultados e discussão: A seleção da busca final resultou em oito trabalhos, dos quais 06 artigos encontrados na base de dados Online Electronic Scientific Library(SCIELO) e 02 artigos de produção científica e técnica em Ciências da Saúde da América Latina e do Caribe(LILACS). Realizou-se a leitura na integra dos estudos selecionados buscando identificar temas que atendam o objetivo proposto. Diante da análise dos artigos, evidenciaram-se os desafios enfrentados na oferta das práticas Integrativas e Complementares no SUS. Dentre esses desafios elenca-se a falta de conhecimento dos profissionais acerca das PICS, a imprecisão conceitual que torna dificultoso o registro no Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde. Conclusão: os artigos analisados evidenciaram que a oferta de Práticas Integrativas e Complementares em Saúde no SUS é permeada por dificuldades, Contudo, mesmo com os desafios que permeiam as PICS, as práticas têm ganhado espaço no cuidado à saúde, onde podemos observar por meio do registro no CNES, a oferta de tais serviços. Deste modo sugere-se que para a prestação de um bom atendimento aos usuários, faz-se necessário a importância da implementação de Educação Permanente para termos profissionais qualificados, a fim de proporcionar uma assistência de qualidade, garantindo dessa forma os princípios proposto na Lei 8080/90 que prevê uma assistência universal, equânime e integral para os usuários do Sistema Único de Saúde.

Veja o artigo completo: PDF