Resumo Trabalho

EFETIVIDADE DO USO DO CHÁ DA HORTELÃ-DA-FOLHA-GROSSA NO TRATAMENTO DA GRIPE: PROTOCOLO PARA UM ENSAIO CLÍNICO RANDOMIZADO

Autor(es): RICARDO DE SOUSA SOARES, ARTHUR ANTONINO DA SILVA NUNES, LOUISE TAVARES FERREIRA, ANA CAROLINA PESSOA CANTARELLI e orientado por ALEXANDRE JOSÉ DE MELO NETO

A Hortelã-da-folha-grossa, de nome científico Plectranthus amboinicus (Lour.) Spreng, da família Lamiaceae, é uma planta muito utilizada na cultura popular brasileira, e em outros países, para resfriado, asma, constipação, cefaléia, tosse, febre, entre outros sintomas. O objetivo deste artigo é construir um protocolo clínico para a investigação dos efeitos da Hortelã-da-folha-grossa no combate a sintomas na Síndrome Gripal e Infecção de Vias Aéreas Superiores (IVAS), a partir de uma revisão sistemática de literatura. A estruturação de um protocolo para a avaliação da efetividade da hortelã-da-folha-grossa no combate à síndrome gripal e IVAS partiu de duas estratégias: a primeira, a realização de uma revisão sistemática sobre o tema; a segunda estratégia foi construir o protocolo a partir dos dados encontrados na literatura e das análises estatísticas necessárias para a execução da pesquisa. Realizou-se assim uma revisão sistemática no PubMed, Bireme e na Scielo. Foram utilizados os termos ("Plants, Medicinal"[Mesh] OR "Phytotherapy"[Mesh]) AND (“Influenza, Human"[Mesh] OR “Upper respiratory tract infection” [Mesh]) e os correspondentes em português. Encontrou-se 6 artigos que abordaram o uso de plantas medicinais ou fitoterápicos no controle de IVAS.| A proposta de protocolo prevê que todos os pacientes participantes deverão ter síndrome gripal/ IVAS a menos de 36 horas, e terão o tratamento padrão sintomáticos ofertado, como analgésicos/antipiréticos ou descongestionantes, e o grupo randomizado para uso da hortelã terá associado ao tratamento padrão o uso do chá de Hortelã-da-folha-grossa. Todos os pacientes serão acompanhados por 21 dias, e serão registrados através de um instrumento a quantidade de medicamentos utilizados e a presença e intensidade dos seguintes sintomas: tosse, dor de garganta, cefaleia, fadiga, mialgia, secreção, febre medida, obstrução nasal e coriza. Para a mensuração dos sintomas será utilizada uma escala Likert de 5 pontos. O protocolo para o Ensaio Clínico da avaliação da efetividade da Plectranthus amboinicus no combate a sintomas da Síndrome Gripal e IVAS é um primeiro passo importante para a construção da pesquisa. Como se propõe trabalhar com o uso popular já é possível ir para a operacionalização do Ensaio Clínico com a randomização dos grupos operacionalização da pesquisa. Um dos motivos de encontrarmos poucos artigos com o uso popular é porque não apresenta interesse comercial e ainda carece de financiamento público.

Veja o artigo completo: PDF