Resumo Trabalho

PROCESSO DE FORMAÇÃO NA TERAPIA COMUNITÁRIA INTEGRATIVA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

Autor(es): MITLENE KALINE BERNARDO BATISTA, ANA SIBELE DE CARVALHO MENDES, ISABELA FERREIRA DA SILVA, MARIETA ZELINDA DE ALMEIDA FREITAS e orientado por ANA SIBELE DE CARVALHO MENDES

INTRODUÇÃO: A Terapia Comunitária Integrativa (TCI) é um instrumento que propõe auxiliar a construção de redes solidárias e tem como alicerce cinco eixos teóricos: Pensamento Sistêmico, Teoria da Comunicação, Antropologia Cultural, Pedagogia de Paulo Freire e conceito de Resiliência. Os enfoques teóricos legitimam algumas premissas e posturas adotadas pelos terapeutas comunitários, tal como o reconhecimento da importância de perceber o sujeito em seu contexto, como parte indissociável de uma rede de relações. A TCI foi implantada em Pernambuco através da realização da primeira turma em 2002 do Curso de Formação de Terapeutas Comunitários organizada pela AQUARIUSNAC em parceria com os MISMEC-DF/CE, de lá para cá já foram formadas 10 turmas e está em andamento a Turma XI (PE). Atualmente existem vários núcleos de TCI atuantes no Recife e região metropólitana e em algumas cidades do interior. OBJETIVOS: Relatar a experiência das práticas de TCI realizadas no curso de formação da Aquarius – Núcleo de Atividades Cientificas, Olinda/PE. METODOLOGIA: Este estudo caracteriza-se como exploratório e descritivo. Participam da formação cinco profissionais de saúde que estão em processo de capacitação em TCI, pela Aquarius/PE, entre elas encontram-se duas residentes de saúde da família, uma médica e duas agentes comunitárias de saúde. A capacitação é composta pelas seguintes atividades: Módulos I, II, III e IV, Intervisão e Prática (30 rodas de TCI), perfazendo uma carga horária de 240 horas aula que ocorrem em um final de semana ao mês. RESULTADOS E DISCUSSÃO: A TCI vem se instituindo na Política Nacional da Atenção Básica, como instrumento para auxiliar na atenção à saúde mental comunitária. Hoje, há terapeutas comunitários com diversas formações, não somente na área da saúde. Para Barreto (2005), o perfil do terapeuta comunitário deve ser o de alguém aberto à escuta, que saiba valorizar as vivências dos outros, respeitando suas raízes culturais, e que tenha habilidade para promover no grupo momentos de acolhimento, bem-estar e respeito. A experiência durante a formação em TCI no instituto Aquarius tem sido muito exitosa, pois há tanto um preparo técnico da terapia como um processo de crescimento pessoal, que nos possibilita superar algumas dificuldades e melhorar alguns aspectos para poder, da melhor forma, ajudar o outro. CONCLUSÃO: A experiência tem nos possibilitado vivenciar a TCI e perceber o quanto vem sendo eficaz para ajudar pessoas com problemas de perda, violência social, depressão, baixa autoestima, entre outras questões ocasionadas por situações estressantes do dia a dia. Convém salientar que no âmbito da promoção em saúde estão sendo realizadas, com sucesso, experiências de rodas de TCI na atenção básica. Esse fato indica que o desenvolvimento de ações de saúde pelos profissionais, se configura como complementar e fundamental para a promoção da saúde e a prevenção das doenças, oferecendo assim uma melhor qualidade de vida para os usuários. Ressalta-se que as rodas de terapia são conduzidas por terapeutas comunitários, sendo assim, é de extrema relevância que haja mais incentivo por parte da gestão municipal em formar mais terapeutas, criando e fortalecendo vínculos com as instituições formadoras.

Veja o artigo completo: PDF