Resumo Trabalho

FITOTERAPIA NO SUS COMO FERRAMENTA PARA PARTICIPAÇÃO CIDADÃ DOS USUÁRIOS DO CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL (CAPS)

Autor(es): ITANA SUZART SCHER, MAYARA DE QUEIROZ OLIVEIRA RIBEIRO DA SILVA, AGATHA CASSIA GOMES PORTO, MARA ZÉLIA DE ALMEIDA e orientado por MARA ZÉLIA DE ALMEIDA

O Programa de Extensão Permanente Farmácia da Terra busca difundir o uso consciente de plantas medicinais e fitoterápicos, além da inserção da fitoterapia no SUS no Estado da Bahia em parceria com a Secretaria de Saúde do Estado da Bahia (SESAB), fortalecendo as relações de cuidados ancestrais e saberes de povos e comunidades tradicionais. Esse projeto de extensão incluiu aspectos de formação para o ensino, pesquisa e extensão, de modo a contribuir para a formação acadêmica e cidadã de estudantes buscando a interação entre setores da sociedade, de forma ativa, reflexiva, crítica e participativa, tendo como principal objetivo identificar estratégias para a inserção da Fitoterapia no SUS no Centro de Atenção Psicossocial II UFBA, através da implantação de uma horta terapêutica, realização de oficinas com profissionais e usuários, além de produção de material didático para auxiliar e divulgar as ações realizadas. A execução desse projeto trouxe uma vivência dentro da realidade do serviço, com suas dificuldades – o que também se refletiu no desenvolvimento do projeto. As dificuldades encontradas no serviço, por exemplo, pouco recurso material, humano e financeiro, evidencia as lacunas e contradições do Sistema Único de Saúde e mais ainda a pouca atenção dada à Saúde Mental dentro dos municípios; assim como, trouxe também a dedicação dos profissionais envolvidos, o empenho da equipe, a participação dos residentes nas atividades da unidade, o contato e a relação de confiança construída com a família e os usuários. Os resultados esperados para o projeto foram alcançados: Realização de reuniões com a equipe do CAPS para discussão do projeto, contribuições e troca de experiências, Realização de oficina de cultivo, oficina de aromaterapia e oficina de produção de chás e elaboração de cartilha, folder e banner sobre os assuntos abordados para serem distribuídos com os servidores e usuários. E ao final do mesmo os discentes envolvidos apresentaram-se mais comprometidos com as questões sociais, cientes das realidades socioculturais de região, onde irão atuar como profissional, além de estimular a sensibilização no referente ao entendimento do outro nas suas práticas cotidianas. Entende-se que essas propostas também colaborem no desenvolvimento das habilidades profissionais; implementando as habilidades cognitivas, psicomotoras e afetivas dos bolsistas. Trabalhar com saúde mental é algo muito valoroso e traz aprendizados diversos, desde reverter os estigmas sociais para com usuários do serviço CAPS, trazendo empatia, sensibilidade, compreensão – e o fato de ser com uma equipe multiprofissional também contribuiu nesse sentido, além de trazer à tona a atuação do profissional farmacêutico no serviço do SUS, dentro do CAPS. A equipe foi muito receptiva e participativa desde o primeiro contato, estando a disposição quando surgiam as dúvidas.

Veja o artigo completo: PDF