Resumo Trabalho

EDUCAÇÃO EM SAÚDE ENTRE ESCOLARES: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

Autor(es): TÚLIO CHAVES MENDES, BEATRIZ SOUZA DE ALBUQUERQUE CACIQUE NEW YORK, LAIZE SILVA DO NASCIMENTO, VALBER DA SILVA MACÊDO e orientado por CLÉSIA OLIVEIRA PACHÚ

INTRODUÇÃO: Dentre as Práticas Integrativas e Complementares de Saúde, há a fitoterapia, que utiliza as plantas medicinais com fins terapêuticos, apresentando métodos de fácil acesso, baixo custo e de grande eficácia. OBJETIVO: Objetivou-se sensibilizar crianças e adolescentes, utilizando-se da educação em saúde, para adequada utilização das plantas medicinais, alertando acerca da importância, finalidades e efeitos adversos. METODOLOGIA: Trata-se de relato de experiência utilizando metodologia ativa, tipo problematização. Foi realizado por meio do Projeto de Extensão da UEPB “Plantas Medicinais e suas utilidades nos sistemas orgânicos: Uma abordagem universitária” sendo realizado na Escola CAIC José Jofilly, localizada na cidade de Campina Grande, PB. Projeto que ocorre semanalmente, sendo assistidos estudantes da escola, de ambos os sexos, das turmas do 6° e 9° ano, do ensino fundamental e do 1° ano C e 2° ano A, do ensino médio. A intervenção realizada consistiu em explanações e rodas de discussão acerca de plantas medicinais. RESULTADOS E DISCUSSÕES: A intervenção inicialmente conheceu melhor a realidade local, observando as necessidades e dúvidas dos estudantes acerca das plantas medicinais. No decorrer das atividades essas necessidades fossem supridas por intermédio da identificação das plantas medicinais utilizadas pelos estudantes como forma de tratamento. Ficou demonstrada existência de dificuldade em relação ao uso correto das plantas. Foi trabalhado com crianças e adolescentes acerca da sensibilização e aprendizado acerca da utilidade das ervas. Registra-se também, a despreocupação dos assistidos quanto a possível toxicidade de plantas medicinais. CONCLUSÕES: O projeto teve impacto positivo na escola, pois mudou a visão de crianças e adolescentes acerca da utilização das plantas medicinais e seus benefícios, assim como permitiu o compartilhamento de experiências. Apesar de a fitoterapia ser reconhecida e denominada como prática integrativa complementar no SUS, muitos desconhecem a importância e reconhecem a falta efetividade de sua aplicação em âmbitos como no ensino básico. Faz-se necessário que profissionais de saúde possam despertar a população quanto aos benefícios e facilidade de obtenção dessas plantas a partir do uso consciente e efetivo na Atenção Básica.

Veja o artigo completo: PDF