Resumo Trabalho

APLICAÇÕES TERAPÊUTICAS DE STRYPHNODENDRON ADSTRINGENS - BARBATIMÃO.

Autor(es): MARIA DAS GRAÇAS MORAIS DE MEDEIROS, LUANA SAYURI OKAMURA, MATHEUS MERSON DE ARAÚJO SILVA e orientado por FRANCINALVA DANTAS DE MEDEIROS.

A biodiversidade brasileira é sem dúvida uma aliada da população no que diz respeito à manutenção alimentar, uso terapêutico segundo a medicina tradicional, desenvolvimento de medicamentos e descobertas de novos fármacos. O uso de produtos naturais com propriedades terapêuticas é tão antigo quanto a civilização humana. A espécie vegetal Stryphnodendron adstringens conhecido popularmente como barbatimão é uma planta medicinal do presente no bioma Cerrado, encontrando-se, geograficamente, desde o Pará, passando pelo planalto central, Minas Gerais e São Paulo. O presente trabalho teve por objetivo realizar uma revisão da literatura sobre as aplicações terapêuticas do S. adstringens, bem como elucidar os diferentes tipos de formulações utilizadas pela população. A metodologia empreendida baseou-se numa pesquisa minuciosa e metódica de referências bibliográficas, utilizando como bancos de dados, Scielo, PubMed, Science Direct e Periódicos Capes, com publicações feitas entre os anos de 2002 até 2017, nos idiomas português e inglês, sendo utilizados 21 artigos, utilizando os descritores “Stryphnodendron adstringens”, “phytochemistry”, “extract”, os quais foram cruzados com o operador boleano AND. Entre os metabólitos secundários encontrados na S. adstringens estão os taninos, utilizados na medicina popular para acelerar processos de cicatrização, nos tratamentos de queimaduras e escoriações cutâneas. Além disso, estudos indicam que essa planta também possui atividade anti-inflamatória indicada por cinco artigos, analgésica e protetora da mucosa gástrica indicadas por 3 artigos, sendo uma matéria-prima promissora para a produção de fitoterápicos. Dentre as partes utilizadas para formulações estão a casca e folhas, e alguns estudos indicam o uso dos segmentos nodais da planta. Em estudos in vivo, com animais, foi comprovada toxicidade (citotóxica e genotóxica) dessa planta, o que implica ainda a necessidade de mais estudos farmacológicos. Entre as formas de extração e obtenção do produto final destinado ao uso, encontram-se técnicas simples e de grande utilidade como, por exemplo, extrato aquoso, alcóolico, hidroalcoólico e seco. Conclui-se com isso que de acordo com os dados obtidos o uso do barbatimão é amplo entre a população em geral, porém devido alguns relatos na literatura faz-se necessário um maior conjunto de estudos, bem como inovar com a criação de mais usos via formas farmacêuticas.

Veja o artigo completo: PDF