Resumo Trabalho

DANÇA MEDITATIVA COMO PRÁTICA INTEGRATIVA DE EXPANSÃO DE CONSCIÊNCIA.

Autor(es): TALITA DAMIANA DOS SANTOS MACIEL, MARCUS FÁBIO DE ARAÚJO LIMA e orientado por ANA TÂNIA LOPES SAMPAIO

A implantação do Sistema Único de Saúde de Saúde- SUS tem desafiado a forma de cuidar das pessoas no Brasil, o principio da integralidade exige uma prática transdisciplinar humanescente. Desde 2006, as Práticas Integrativas e Complementares-PICs foram incluídas no elenco de suas atividades, dentre elas as Práticas Corporais. A Política Nacional de Humanização de forma transversal desafia a inserção de novos dispositivos na gestão do cuidado. A dança Meditativa-DM das 21 qualidades de Tara foi criada por Prema Dasara, dançarina americana que adaptou ás práticas tibetanas a ritmos e danças de harmonização, esta tem sido praticada desde 1985 no mundo inteiro e no Brasil através da organização internacional Tara Dhatu Sul América. Esta prática está sendo oferecida às usuárias do SUS no Centro de Atenção e Pesquisa em Práticas Integrativas e Complementares-CAPPIC da UFRN. O estudo é do tipo Pesquisa Ação Existencial de abordagem sociopoética. A pesquisa pretende analisar a influencia da DM como estratégia que promove saúde, empoderamento e autocura. Os achados parciais da pesquisa comprovam que a DM de Tara, enquanto prática tibetana adptada no Brasil como Prática Corporal Transdisciplinar estimula o despertar das 21 qualidades humanescentes: (Alegria, criatividade, coragem, paciência, sabedoria, generosidade, austeridade, sensibilidade, verdade, serenidade, autenticidade, proatividade, organização, equilíbrio, humildade, rapidez, gratidão, desapego, determinação, perseverança, compaixão), expandindo a consciência, o sentimento de unidade e comunhão, ou seja, a ligação às dimensões mais interiores do Ser Humano, promovendo saúde, empoderamento e autocura

Veja o artigo completo: PDF