Resumo Trabalho

MONICA GIORDANA FRANCIELI BLAU, SANDRA FERREIRA TAVARES, GEORGE TAWLINSON SOARES GADÊLHA, MAGALI CABRAL SEGUNDO MEDEIROS e orientado por PRISCILLA PINTO COSTA DA SILVA e orientado por PRISCILLA PINTO COSTA DA SILVA

A Psicomotricidade Relacional (PR) é uma prática de caráter educativo sobre o processo de desenvolvimento cognitivo, psicomotor e sócio emocional, os quais estão diretamente ligados a fatores psicoafetivos que permitem a expressão de conflitos relacionais. É essencial que tais conflitos sejam superados, o que por meio do brincar no jogo simbólico é possível, já que as emoções e sensações percebidas no corpo, perpassam seu inconsciente para a expressão corporal sendo o enfrentamento de conflitos internos de suma importância para a construção da autonomia na criança. O objetivo do trabalho foi analisar como a prática da PR pode contribuir em relação a construção da autonomia no desenvolvimento da criança. O presente trabalho é um estudo de caso que se realizou em uma escola no município Fortaleza – CE, com um aluno da Educação Infantil, do sexo masculino, com idade de 4 anos, o qual chamaremos de R, que era totalmente dependente, sem autonomia até para criar vínculos com os outros colegas de sala de aula. Foram realizadas sessões de PR com todos os alunos, contudo, nosso cerne foi em relação ao crescimento da autonomia da criança R. A professora regente da turma, nos fez um relato prévio das características comportamentais de R, assim como outro relato pós para analisarmos se houveram mudanças ou progressos. O que observamos é a relevância da PR, para o desenvolvimento da autonomia da criança por meio das habilidades vivenciadas normalmente nas vivências lúdicas. Dessa forma, o que se espera é que a escola no atendimento da criança na Educação Infantil, desempenhe seu papel fundamental que é o de promover atividades que oportunizem o enriquecimento nas suas capacidades físicas, cognitivas, emocionais, favorecendo a autonomia através do Lúdico, o que nas sessões de PR pudemos perceber progressos significativos.

Veja o artigo completo: PDF