Resumo Trabalho

BRUNA GIOVANELLI DIAS e orientado por SANDRA LUCIA ESCOVEDO SELLES e orientado por SANDRA LUCIA ESCOVEDO SELLES

O discurso da necessidade de reformas educativas nos países ditos em desenvolvimento, tem ganhado força à medida que é apresentado como caminho para melhorar a qualidade da educação e elevar o status econômico desses países emergentes. O que se destaca nesse contexto é o fato que embora os países desse bloco possuam especificidades políticas e culturais, as estruturas que embasam as reformas educativas desses países têm se alicerçado nos mesmos aspectos, em observância da influência exercida por atores comuns a estes países ,como a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), o Banco Mundial (BM), e a Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) que intervém sobre a qualidade consideradas “desejáveis” para os alunos em processo de formação. A avaliação tem ocupado o cerne das propostas de reforma, servindo como guia para medir a penetrância das habilidades desejadas aos alunos e professores, ganhando um status de ferramenta imprescindível estando intrínseco da ação de reformar. Este trabalho é fruto de uma pesquisa de mestrado em andamento, sendo esse texto um desdobramento da fase inicial da pesquisa, apresentando um levantamento dos discursos de legitimação da demanda de reformas educacionais que circulam no campo político e acadêmico, trazendo elementos que ajudam problematizar esses mecanismos e compreender o papel que as avaliações tem desempenhado nas propostas de reforma, visando contribuir para o fomento da discussão tanto no meio acadêmico quanto na sociedade, visando através da promoção do diálogo encontrar caminhos alternativos para melhorar a qualidade da educação, compreendendo-a numa perspectiva para além das avaliações.

Veja o artigo completo: PDF