Resumo Trabalho

PREVALÊNCIA DE CANDIDÍASE ORAL EM IDOSOS PORTADORES DE AIDS: UM ESTUDO EPIDEMIOLÓGICO

CARMEM GABRIELA GOMES DE FIGUEIREDO, ALECSANDRA BEZERRA MONTEIRO DE OLIVEIRA e orientado por MARIA SORAYA PEREIRA FRANCO ADRIANO e orientado por MARIA SORAYA PEREIRA FRANCO ADRIANO

A candidíase oral pode representar um dos primeiros sinais clínicos da infecção pelo HIV, sendo indicador do sistema imune e tempo de evolução da doença. O número de idosos infectados tem crescido e em virtude desta população constituir um grupo social vulnerável, torna-se importante investigar manifestações que sinalizem a doença. Este trabalho verificou a prevalência de candidíase oral notificada em portadores de AIDS no Estado da Paraíba de acordo com o Sistema de Informação de Agravos de Notificação no período de 2000 a 2010. Desenvolveu-se um estudo epidemiológico transversal e quantitativo utilizando dados secundários coletados do SINAN W e Net do programa DST/AIDS da Paraíba em participantes com 50 anos ou mais que apresentassem registro completo da evolução do caso. Utilizaram-se os testes de Qui-Quadrado de Pearson e a razão de prevalência com p significativo a 5% e IC de 95%. Foram notificados 310 casos de AIDS dos quais 227 pertenciam a faixa etária de 50-59 anos e 83 casos a faixa etária 60 anos ou mais. A prevalência de candidíase oral foi maior na população com 60 anos ou mais quando comparada a 50-59 anos (35,5% versus 29,5%) sem associação significativa entre a ocorrência da lesão e a faixa etária (p=0,326). As manifestações bucais relacionadas à infecção pelo HIV têm sido mundialmente estudadas como indicadores importantes para a vigilância epidemiológica dessa doença. Haja vista a escassez de trabalhos na literatura com pacientes nessa faixa etária, espera-se que estes resultados possam subsidiar ações de avaliação, prevenção e controle da AIDS.

Veja o artigo completo: PDF