Resumo Trabalho

APLICABILIDADE DE SOFTWARES DE REALIDADE VIRTUAL NÃO IMERSIVA PARA O TREINO DE EQUILÍBRIO EM IDOSOS COM DOENÇA DE ALZHEIMER

BÁRBARA DAYANE ARAUJO DE SOUSA, GIOVANNA ALCANTARA FALCÃO, DIEGO BARBOSA DA SILVA, THALIA FERREIRA AMANCIO e orientado por MICAELE FARIAS NASCIMENTO

A DOENÇA DE ALZHEIMER (DA) TRATA-SE DE UMA DOENÇA NEURODEGENERATIVA E PROGRESSIVA, DIAGNOSTICADA, EM NÍVEL MICROSCÓPICO, PELA PRESENÇA DE DEPÓSITOS EXTRACELULARES DE β-AMILÓIDE E DEPÓSITOS INTRACELULARES DE EMARANHADOS NEUROFIBRILARES. VÁRIOS SINAIS E SINTOMAS SÃO MANIFESTADOS, SENDO O DESEQUILÍBRIO POSTURAL UM DOS MAIS PRESENTES, A NÍVEIS DE SENILIDADE. ATUALMENTE O TRATAMENTO MAIS ACESSÍVEL PARA A DA É A TERAPIA FARMACOLÓGICA, NO ENTANTO ESTE POSSUI EFICÁCIA LIMITADA, POIS NÃO IMPEDE O DECLÍNIO COGNITIVO E NÃO ALTERA O CURSO DA DOENÇA, UMA VEZ QUE QUANDO OS SINTOMAS SURGEM E COMEÇAM A SER TRATADOS O CÉREBRO JÁ SE ENCONTRA AFETADO, LIMITANDO ASSIM A AÇÃO DOS FÁRMACOS. ASSIM, O TRATAMENTO NÃO FARMACOLÓGICO SURGE COMO ALTERNATIVA PARA O TRATAMENTO DA DA, INCLUINDO-SE A REALIDADE VIRTUAL (RV), QUE SE CARACTERIZA COMO UMA DAS TERAPIAS INOVADORAS PARA O TRATAMENTO EM INDIVÍDUOS COM DA, COM IMPORTANTE ATUAÇÃO NA MELHORA DO EQUILÍBRIO POSTURAL DOS IDOSOS ACOMETIDOS PELA DOENÇA. NISSO, O OBJETIVO DESSA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA FOI AVALIAR OS ACHADOS DA LITERATURA SOBRE A APLICAÇÃO DE SOFTWARES DE RV NÃO IMERSIVA PARA MELHORA DO EQUILÍBRIO POSTURAL EM IDOSOS COM DA. FORAM USADOS OS DESCRITORES EM INGLÊS VIRTUAL REALITY (REALIDADE VIRTUAL), ALZHEIMER'S DISEASE (DOENÇA DE ALZHEIMER) E POSTURAL EQUILIBRIUM (EQUILÍBRIO POSTURAL), DOS QUAIS REPORTARAM 564 ARTIGOS, SENDO SELECIONADOS 3 ARTIGOS QUE PREENCHERAM AOS CRITÉRIOS DE INCLUSÃO E EXCLUSÃO. CONCLUIU-SE, COM OS RESULTADOS DO ESTUDO, QUE A APLICABILIDADE DOS SOFTWARES DE RV NÃO-IMERSIVA TEM SE MOSTRADO EFICAZ SOBRE A MELHORA DO EQUILÍBRIO POSTURAL DE IDOSOS COM DA. PORÉM, APESAR DISSO, EXISTEM POUCOS ESTUDOS PUBLICADOS NA ÁREA, O QUE NÃO PERMITE A MASSIFICAÇÃO DOS RESULTADOS. DESSE MODO, SUGERIMOS A REALIZAÇÃO DE MAIS ENSAIOS CLÍNICOS PARA VERIFICAR O EFEITO DA TERAPIA NA POPULAÇÃO ESTUDADA.

Veja o artigo completo: PDF