Resumo Trabalho

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE SUBJETIVA DO SONO DE PESSOAS IDOSAS ATENDIDAS EM UM AMBULATÓRIO GERIÁTRICO

SANNI MORAES DE OLIVEIRA, FABIANA MARIA RODRIGUES LOPES DE OLIVEIRA, WILIANA APARECIDA ALVES DE BRITO FERNANDES e orientado por MARIA DAS GRAÇAS MELO FERNANDES e orientado por MARIA DAS GRAÇAS MELO FERNANDES

As modificações no padrão do sono da pessoa idosa e suas repercussões negativas para a saúde e qualidade de vida, são preocupações relacionadas ao processo do envelhecimento humano. O sono do idoso, com o passar dos anos, tende a se tornar mais superficial e fragmentado e, portanto, tem menor eficiência e pior qualidade. Considerando isso, é imprescindível, por parte do enfermeiro, a identificação da qualidade do sono e de possíveis distúrbios relacionados a esse fenômeno, pois a dificuldade constante em dormir pode repercutir em aumento do risco de queda, comprometimento cognitivo, prejuízo da função respiratória e cardiovascular, aumento da mortalidade e da necessidade de um serviço de enfermagem que acompanhe este idoso. Portanto, o objetivo do estudo compreende em avaliar a qualidade de sono dos idosos, nomeadamente a qualidade subjetiva do sono num serviço ambulatorial geriátrico. Estudo descritivo, transversal, desenvolvido em um hospital universitário localizado no município de João Pessoa – PB, com uma amostra de 211 pessoas idosas atendidas no ambulatório de Geriatria, no período de Novembro de 2015 a Maio de 2016, mediante entrevista subsidiada por instrumento estruturado, contemplando questões relativas a caracterização sociodemográfica e o Índice de Qualidade do Sono de Pittsburgh (PSQI). Utilizou-se do Software Microsoft Excel 2016 e do o sistema computacional Statistical Package for the Social Sciences – SPSS versão 20.0. Foram observados os aspectos éticos que normatizam a pesquisa envolvendo seres humanos, especialmente o sigilo e a confidencialidade das informações, dispostos na Resolução 466/2012 do CNS/MS/BRASIL, aprovado pelo Comitê de Ética que referenda a instituição tendo como número de CAE 56053116.8.00005183. A partir das medidas de posição e variabilidade dos sete componentes do PSQI observou-se que entre os indicadores o que apresentou maior escore ou pior qualidade foi a “duração do sono”. Os resultados obtidos individualmente evidenciaram que 24,17% (n=51) apresentaram boa qualidade do sono; enquanto 54,0% (n=114) obtiveram o resultado de má qualidade do sono e 21,8% (n=46) apresentava distúrbios do sono. Quanto as características do sono, verificou-se que o horário de deitar dos idosos entrevistados em média é de 21h05min, com média de latência de 24 minutos. O horário de despertar em média foi de 05h32min, com duração do sono de aproximadamente 06h23min. Compreender as necessidades de sono do idoso e as consequências dos seus distúrbios, constitui-se um grande desafio. É necessário que saibamos reconhecer quando a qualidade do sono é inadequada e necessita de intervenções. Dessa forma, enfatiza-se a importância do diagnóstico precoce para a prevenção de problemas secundários, como os cardíacos, depressão, ansiedade e a dependência do álcool. Somando-se a isto, uma boa higiene do sono poderá ajudar de forma substancial, na qualidade do sono da pessoa idosa e consequentemente numa melhor qualidade de vida para o portador dos distúrbios do sono.

Veja o artigo completo: PDF