Resumo Trabalho

ANÁLISE DA CAPACIDADE FUNCIONAL DE IDOSOS URBANOS

WENDELL AGUIAR SILVA, BRENDA NATALLY SOARES FURTADO, ANA CARLA ALCANTARA FRUTUOZO e orientado por VITÓRIA REGINA QUIRINO DE ARAÚJO e orientado por VITÓRIA REGINA QUIRINO DE ARAÚJO

Capacidade funcional pode ser definida como o potencial que os idosos apresentam para decidir e atuar em suas vidas de forma independente, no seu cotidiano, apresentando talvez a necessidade de ajuda para executar tarefas no seu dia-a-dia, Atividades Básicas de Vida Diária (ABVD) e Atividades Instrumentais de Vida Diária (AIVD). A Capacidade Funcional pode ser avaliada por diversos procedimentos, como os testes de desempenho físico ou questionários. Na presente pesquisa, optamos por descrever a população estudada através da variável capacidade funcional, a partir do cruzamento das escalas definidas por Katz e Lawton. Nesse sentido o plano de trabalho teve como objetivo, identificar a prevalência de idosos dependentes e independentes em relação à sua capacidade funcional na amostra estudada, em uma perspectiva analítica e descritiva. A amostra estudada foi de idosos acima de 60 anos adscritos na Rede de UBS distribuída entre seis distritos sanitário da cidade de Campina Grande- PB. Fizeram parte da pesquisa 498 idosos, sendo 400 do sexo feminino (80,3%) e 98 do sexo masculino (19,7%). A média de idade foi 71,14, sendo a idade mínima 60 anos e a máxima, 92 anos. A maioria da proporção de idosos foi considerada independente para atividades básicas de vida diária, enquanto que dependentes para atividades instrumentais de vida diária. Assim, é essencial que se busque a promoção da saúde e a prevenção de doenças, através de medidas educativas e intervenções terapêuticas a fim de minimizar os fatores que interferem na capacidade funcional e consequentemente na qualidade de vida dos idosos.

Veja o artigo completo: PDF