Resumo Trabalho

PERCEPÇÃO DOS ACADÊMICOS DE FISIOTERAPIA SOBRE OS ATENDIMENTOS EM UMA INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA

RUANA CAMILLA DE CARVALHO SANTOS, MARIA CLARA ROSENO DA SILVA, THAINE GOMES SILVA, WANDERSON FELIPE VENCESLAU OLIVEIRA e orientado por AUGUSTO CESAR ALVES DE OLIVEIRA e orientado por AUGUSTO CESAR ALVES DE OLIVEIRA

Introdução: O processo envelhecimento vem aumentando devido à diminuição das taxas de mortalidade e natalidade, isso é denominado transição demográfica. A estimativa de vida da população mundial em países em desenvolvimento é de 1 milhão e 200 mil de idosos em 2025 e estima-se que no Brasil a população de idosos ultrapasse 8 milhões em 2020 na faixa etária entre 60 e 64 anos. Segundo dados do IBGE, o numero relativo dos maiores de 60 anos eram de 280.517 em 2012 de um total de 3.165.472 de habitantes em Alagoas. Os profissionais devem realizar seus serviços dentro dos mais altos padrões de qualidade e dos princípios da ética/bioética, tendo em conta que a responsabilidade da atenção à saúde não se encerra com o ato técnico, mas sim, com a resolução do problema de saúde, tanto em nível individual como coletivo. O objetivo do presente trabalho é descrever a percepção dos acadêmicos do curso de Fisioterapia, quanto às praticas desenvolvidas na ILP Casa do Pobre no primeiro semestre do ano de 2017. Metodologia: Trata-se de um estudo descritivo, em forma de relato de experiência sobre a percepção dos acadêmicos de fisioterapia nos atendimentos fisioterápicos realizados nas aulas práticas da disciplina de Saúde do Idoso II do curso de fisioterapia em uma instituição de longa permanência. As condutas foram realizadas em uma Instituição de Longa Permanência para Idosos (ILP) da cidade de Maceió, semanalmente às segundas-feiras com carga horaria de duas horas. Sendo um paciente para cada dupla de acadêmicos com supervisão do professor responsável pela disciplina e dos monitores. Resultados e Discussão: A experiência com idosos institucionalizados trouxe aos acadêmicos um olhar ampliado voltado para paciente e para o meio em que ele está inserido. Percebeu-se que muito dos idosos apresentava quadro depressivo ou alterações de humor, sendo consequência da solidão, mesmo cercado de outros idosos, e pelo abandono dos familiares. Isso exige do profissional empatia e respeito, promovendo um atendimento voltado às necessidades e particularidades de cada indivíduo e não apenas na reabilitação da doença. Podemos compreender que o fisioterapeuta tem que está apto para utilizar as tecnologias em saúde, desde da dura ,através dos recursos materiais , leve-dura, pelos saberes estruturados, e leve, por meio das relações estabelecidas entre os pacientes. Conclusões: A experiência vivenciada nas aulas práticas proporcionou aos estudantes a possibilidade de aprimorar as atividades de promoção, prevenção e cuidado humanizado na fisioterapia, além de oportunizar trocas de saberes entres os idosos institucionalizados e aos futuros profissionais da área da saúde, obtendo assim as aquisição de competências e habilidades contidas nas DCN e no Projeto pedagógico do Curso de Fisioterapia.

Veja o artigo completo: PDF