Resumo Trabalho

COMPORTAMENTO EPIDEMIOLÓGICO DE INTOXICAÇÕES EXÓGENAS EM IDOSOS NO ESTADO DA PARAÍBA, DO PERÍODO DE 2011 A 2015.

PEDRO TIAGO CAMPOS MOTA NUNES, BEATRIZ PEREIRA ALVES, JORGE DANIEL LUCENA DE SANTANA, MARIA CLARA PEREIRA BATISTA e orientado por SÁVIO BENVINDO FERREIRA e orientado por SÁVIO BENVINDO FERREIRA

Nos últimos anos, o Brasil vem apresentando um envelhecimento populacional possibilitado pela melhora da qualidade de vida. Atrelado ao envelhecimento, o organismo sofre modificações fisiológicas que favorecem a incidência e prevalência de doenças e corroboram para o aumento da ingestão de medicamentos, o que consequentemente, aumenta os riscos de intoxicações exógenas. Intoxicação exógena é o resultado da contaminação de um indivíduo por alguma substância tóxica. O excesso de certos compostos ou mau uso também pode gerar efeitos tóxicos. De acordo com o DATASUS, os casos de intoxicação de idosos tiveram um aumento na última década, apesar da redução ocorrida em 2015. Diante do elevado número de intoxicação na última década e do envelhecimento populacional, este trabalho tem como objetivo caracterizar os casos de intoxicação exógena em idosos ocorridos no estado da Paraíba, registrados no DATASUS entre 2011 e 2015. Trata-se de uma pesquisa com base documental, descritiva, retrospectiva e com abordagem quantitativa. Nesse período, foram notificados 291 casos de intoxicação exógena em idosos na Paraíba, sendo registrada maior incidência na zona urbana, com 226 casos. Dos 501 casos de intoxicação exógena por abuso de drogas notificado nos anos em estudo, 15 foram registrados em idosos, sendo apenas do sexo masculino e somente na zona urbana. Nesse mesmo período, dentre as causas de intoxicação exógena notificados em idosos, a mais incidente foi causada por medicamentos. Contudo, os centros de controle podem contribuir fornecendo informações aos profissionais de saúde, para que os mesmos possam atuar visando à proteção e promoção à saúde.

Veja o artigo completo: PDF