Resumo Trabalho

A IMPORTÂNCIA DO COMPONENTE CURRICULAR SAÚDE DO IDOSO (PRÁTICA) NO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

JOSEFA RAQUEL LUCIANO DA SILVA, JOSÉ ANTONIO DA SILVA JÚNIOR, DHÉBORA RHANNY RIBEIRO ESCOREL BARROS, NAYANNE LEAL DO MONTE e orientado por ANA CLAUDIA TORRES DE MEDEIROS e orientado por ANA CLAUDIA TORRES DE MEDEIROS

O panorama populacional em nível mundial vem se modificando, e com essa mudança, as projeções para o ano de 2020 indicam que o Brasil será o sexto país em número de idosos, o que reflete nas condições de saúde, morbidade e limitações funcionais. Essa mudança está gerando grandes desafios para a sociedade, que precisa ser capaz de promover o envelhecimento saudável e ativo, com uma população consciente e pronta para esta realidade. Nesse sentido, necessita-se cada vez mais de profissionais capacitados a atender essa demanda que se aproxima de nós a cada dia que passa. O objetivo do presente trabalho foi relatar a visão dos acadêmicos sobre o componente curricular Saúde do Idoso (Prática) do curso de Graduação em Enfermagem da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), mostrando a importância da capacitação deste profissional desde sua graduação até o mercado de trabalho, bem como as atividades que foram desenvolvidas e as experiências que foram vivenciadas nos locais propostos. A partir das atividades desenvolvidas na disciplina, os acadêmicos puderam ter uma visão geral dos cuidados de enfermagem que são oferecidos em todos os níveis de atenção à saúde da pessoa idosa. A educação em saúde é peça fundamental para a construção de um envelhecimento ativo para essa população. A troca de informações capacita o idoso a melhor atender às suas necessidades e particularidades como componente desse grupo etário, ou seja, promove o autocuidado desses indivíduos. Contudo, durante esse tipo de atividades, é necessário que se considere sempre como importante todo o conhecimento popular, que muitas vezes demonstra resultados consideráveis. Destarte, a disciplina prática de saúde do idoso deu oportunidade aos discentes de uma maior aproximação com estes, que em pouco tempo serão a maioria da população, e que não são apenas detentores de doenças, mas sim, seres biopsicossociais e espirituais, que precisam ser assistidos de forma integral e humanizada.

Veja o artigo completo: PDF