Resumo Trabalho

OFICINA DE AUTOCUIDADO: AS PRÁTICAS INTEGRATIVAS E COMPLEMENTARES NA PROMOÇÃO DA SAÚDE DA PESSOA IDOSA

PÉRSIDA GOMES DE SOUZA ROCHA, VERBENA SANTOS ARAÚJO e orientado por BIANCA NUNES GUEDES DO AMARAL ROCHA e orientado por BIANCA NUNES GUEDES DO AMARAL ROCHA

O envelhecimento é um processo natural e irreversível que gera várias mudanças físicas e psíquicas no corpo, decorrente de fatores metabólicos e hábitos de vida de cada indivíduo. O envelhecimento ativo é uma recomendação para as políticas públicas de saúde, otimizando oportunidades de saúde afim de aumentar a qualidade de vida conforme os indivíduos entram no processo biológico de envelhecimento. As práticas coletivas e individuais com ênfase na promoção da saúde e na atenção humanizada trazem inúmeros benefícios durante o processo de envelhecimento, propiciando independência funcional para o idoso, pois à medida que o tempo passa, a atividade física se torna imprescindível para a manutenção da capacidade funcional. Neste sentido, vem adquirindo destaque na literatura os relatos e discussões sobre a adoção das práticas integrativas e complementares como recurso de acompanhamento terapêutico e suas possíveis contribuições para a qualidade de vida nesta faixa etária, uma vez que a base destas práticas, consideradas não-convencionais, reside no cuidado integral. Essas práticas integrativas e complementares vêm sendo gradativamente inseridas no Sistema Único de Saúde, respaldadas pelas Políticas Nacionais de Promoção da Saúde e de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) no SUS (Portarias Ministeriais nº 687 de 30 de março de 2006, nº 971 em 03 de maio de 2006, nº 1.600, de 17 de julho de 2006 e nº 154, de 24 de janeiro de 2008) (BRASIL, 2006). Este projeto de pesquisa é realizado quinzenalmente no Centro Pastoral da Vila de Ponta Negra em Natal/RN e tem como objetivo geral identificar as mudanças físicas e psicológicas adquiridas pelos participantes da “Oficina de Autocuidado: as práticas integrativas e complementares na promoção da saúde da pessoa idosa” e específicos de: Verificar mudanças funcionais na realização das atividades da vida diária dos idosos; Identificar melhorias quanto ao gerenciamento do estresse e capacidade de resiliência diante de situações adversas; Identificar transformações quanto aos fatores que envolvem a qualidade de vida. Os encontros envolvem práticas coletivas e individuais com ênfase na promoção da saúde que colaboram na prevenção dos desequilíbrios energético-funcionais e/ou redução das limitações existentes. São realizadas práticas integrativas e complementares em saúde que atendam às necessidades desta faixa etária e que contribuam para a melhoria da qualidade de vida, possibilitando ao idoso a aquisição de autonomia com a finalidade de desenvolver a capacidade para o autocuidado, tais como: exercícios de alongamentos, automassagem, orientações posturais, técnicas de relaxamento e vivências lúdicas. É utilizado o grupo focal, enquanto técnica de coleta de dados, e para análise dos dados, será utilizada a análise de discurso de Bardin. Espera-se que através da realização de práticas integrativas e complementares em saúde na promoção da saúde da pessoa idosa, seja possível facilitar aos idosos, melhorias na qualidade de vida e aquisição de autonomia para desenvolver a capacidade para o autocuidado, além de contribuir para o campo da pesquisa e da prática interdisciplinar em saúde.

Veja o artigo completo: PDF