Resumo Trabalho

VIVÊNCIA DE ACADÊMICAS DE ENFERMAGEM EM UMA INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS

FABRINA RAFAELA NASCIMENTO DE ANDRADE, SIDCLEIA KÉCIA VIEIRA SILVA, SAMARA SUELLEN FERREIRA DE MEDEIROS, FERNANDA NAHARA CARVALHO DOSSANTOS e orientado por BÁRBARA COELI OLIVEIRA DA SILVA e orientado por BÁRBARA COELI OLIVEIRA DA SILVA

A proporção na expectativa de vida vem crescendo consideravelmente. Com o aumento da longevidade no Brasil, diversas questões da gestão de políticas públicas têm sido levantadas, inclusive, criações de Instituições de Longa Permanência para Idosos. Muitas instituições são preparadas para o atendimento os idosos de forma assistida, mas não ao abandono à velhice, além da realidade relacionada à situação financeira. O presente trabalho objetivou relatar a experiência vivenciada por acadêmicas de enfermagem em uma Instituição de Longa Permanência para Idosos. Trata-se de um relato de experiência de acadêmicas de enfermagem da Universidade Federal do Rio Grande do Norte em uma Instituição de Longa Permanência para Idosos durante o mês de outubro de 2016. Observou-se a importância de possuir o conhecimento acerca das principais comorbidades que atingem os idosos, destacando doenças cardiovasculares e neurodegenerativas, doenças que interferem na qualidade de vida desses indivíduos e que a enfermagem tem um papel fundamental de identificá-los e de intervi-los. Foi possível visualizar o processo de cuidar por outro ângulo. A vivência na instituição de longa permanência, trouxe uma experiência de extrema importância para a vida acadêmica e profissional, o que proporcionou a oportunidade aprimorar os conhecimentos, que estiveram ao alcance do grupo, de aprender a lidar com o público alvo em questão e com o ambiente das Instituições de Longa Permanência para Idosos. Sugere-se admitir mais profissionais e capacitá-los, melhorar o espaço físico, como também exercer atividades ocupacionais, além de aprimorar a implantação da sistematização da assistência de enfermagem em um processo diário para melhorar o acompanhamento das comorbidades dos idosos.

Veja o artigo completo: PDF