Resumo Trabalho

ESTUDO DE DOENÇAS CRÔNICAS EM IDOSOS DE UMA UNIVERSIDADE ABERTA A MATURIDADE

MARIANA MICHELLA NEVES DE LUCENA e orientado por LINDOMAR DE FARIAS BELÉM

O INCENTIVO AOS CUIDADOS DA SAÚDE, NOVAS DESCOBERTAS DE MEDICAMENTOS E INVESTIMENTOS NO ÂMBITO DA SAÚDE TÊM TRAZIDO AO ADULTO UMA MAIOR PERSPECTIVA DE VIVER BEM A VELHICE. COM ISSO, DADOS DA OMS TÊM MOSTRADO QUE O NÚMERO DE IDOSOS AUMENTA A CADA ANO E JUNTO A ISTO O NÚMERO DE DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS. AS DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS TORNAM-SE UM PROBLEMA GLOBAL DE SAÚDE E DA PERDA DE QUALIDADE DE VIDA, LIMITAÇÃO E INCAPACIDADE, CAUSANDO IMPACTOS SOCIAIS. NESTE CONTEXTO A INSERÇÃO DE MAIS PROFISSIONAIS DE SAÚDE PARA CONDUZIR O TRATAMENTO É FUNDAMENTAL, VISTO QUE OS IDOSOS REALIZAM AUTOMEDICAÇÃO OU POLI MEDICAÇÃO, QUE ALÉM DE AUMENTAR O RISCO DE INTERAÇÕES LEVA AO USO IRRACIONAL DE MEDICAMENTOS, QUE POR MUITAS VEZES PELO TRATAMENTO ERRADO VAI CONTINUAR NÃO RESOLVENDO OS SINTOMAS DO INDIVÍDUO. ESTE TRABALHO TEM COMO OBJETIVO ANALISAR O PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PORTADORES DE DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS EM IDOSOS VINCULADOS À UAMA, A FIM DE IDENTIFICAR AS SUAS CORRELAÇÕES, PREVENÇÃO DE OUTRAS DOENÇAS QUE POSSAM ADQUIRIR, FORMA DE TRATAMENTO, O PERFIL FARMACOLÓGICO ADOTADO PELA MAIORIA DOS PORTADORES E O PAPEL DO FARMACÊUTICO FRENTE A ESTE PROCESSO DO CUIDAR EM 72 PACIENTES QUE APRESENTARAM ALGUMA DAS SEGUINTES DOENÇAS CRÔNICAS: HIPERTENSÃO ARTERIAL, DIABETE MELLITUS OU/E DOENÇAS CARDIOVASCULARES. FORAM RELATADOS 37 PRINCÍPIOS ATIVOS DIFERENTES, SENDO QUE ALGUNS FÁRMACOS FORAM RELATADOS POR MAIS DE UM PACIENTE E ALGUNS PACIENTES RELATARAM USO DE MAIS DE UM FÁRMACO. OBSERVOU-SE QUE OS FÁRMACOS ANTIHIPERTENSIVOS DA CLASSE ANTAGONISTAS DO RECEPTOR DA ANGIOTENSINA II(ARA II) FORAM OS MAIS USADOS.

Veja o artigo completo: PDF