Resumo Trabalho

REFLEXÕES SOBRE O COTIDIANO DE CUIDADORES DE UMA INSTITUIÇÃO DE LONGA PERMANÊNCIA PARA IDOSOS

MARIA MÉRCIA BEZERRA, LARISSA MARIA LACERDA FERNANDES e orientado por FABÍOLA DE ARAÚJO LEITE MEDEIROS e orientado por FABÍOLA DE ARAÚJO LEITE MEDEIROS

O aumento no número de idosos em nosso país faz com que muitos vivam em Instituições de Longa Permanência para Idosos (ILPI), sendo assistidos por cuidadores. Esses cuidadores são considerados elos entre o idoso e a equipe multiprofissional, seja no ambiente domiciliar e familiar seja em uma Instituição de Longa Permanência para Idosos, principalmente, quando o idoso apresenta incapacidades funcionais que interferem na sua autonomia e independência. Torna-se necessário conhecer o perfil do cuidador para entender suas necessidades e dificuldades no cotidiano da sua lida ocupacional. Este estudo objetivou conhecer o perfil dos cuidadores de idosos de uma ILPI no Estado da Paraíba, identificando as principais dificuldades enfrentadas por estes profissionais no seu cotidiano junto ao cuidado à pessoa idosa, assim como também a análise dos motivos que os conduziram a trabalhar na ILPI. Tratou-se de uma pesquisa descritiva de natureza qualitativa, realizada com cuidadores de uma ILPI localizada no município de Campina Grande/PB, Brasil. O instrumento de coleta de dados foi um questionário semiestruturado aplicado a 14 funcionários da ILPI, que continha perguntas relacionadas a dados sociais, demográficos, e questionamentos sobre o que os motivou a ir trabalhar na ILPI e as dificuldades enfrentadas na rotina diária de cuidados. Foi realizada a análise de conteúdo, modalidade temática. Dentre as variáveis sociais e demográficas traçadas para descrição do perfil dos funcionários da ILPI, observou-se que a maioria 55,5% fazia parte de uma população entre a faixa etária dos 40-50 anos; 77,8% pertenciam ao sexo feminino e metade estava na situação conjugal de casados 50%. Discorrendo-se sobre o grau de escolaridade dos cuidadores de idosos da instituição, verificou-se que 06 (43%) se apresentaram com nível de ensino fundamental incompleto, 03 (22%) com ensino fundamental completo e 05 (35%) com ensino médio completo. Em relação à formação técnica para trabalho com a pessoa idosa, foi verificado por unanimidade que 100% dos cuidadores relataram não terem feito nenhuma capacitação técnica para cuidados com idosos. Com relação à atuação como cuidadores na casa, observou-se que 50% (07) trabalhavam na casa num período de 1-5 anos, 22% (03) trabalhavam entre 06-10 anos e uma proporção significativa de 28% (04) trabalhava na casa há mais de 15 anos. Contudo, percebeu-se a necessidade de formação gerontogeriátrica compartilhada com a prática de cuidados já exercida pelos cuidadores, visando à melhoria do cuidado e da qualidade de vida das pessoas idosas residentes na ILPI, principalmente no que se refere à otimização e promoção do envelhecimento saudável. Ao mesmo tempo, observou-se que os cuidadores de idosos são as peças fundamentais no processo de cuidar da instituição. No entanto, pressupõe-se que esse estudo seja útil para repensar a função de cuidadores de idosos institucionalizados, para fomentar futuras pesquisas que venham a compreender quem são os funcionários das ILPI no Brasil, e, principalmente, para incrementar políticas públicas, em prol da pessoa idosa institucionalizada.

Veja o artigo completo: PDF