Resumo Trabalho

QUEDAS EM MULHERES NA PÓS-MENOPAUSA E A ASSOCIAÇÃO COM A FORÇA MUSCULAR, MOBILIDADE FUNCIONAL E FLEXIBILIDADE.

FERNANDA CRISTIANE DE MELO e orientado por JORGE NAHAS NETO e orientado por JORGE NAHAS NETO

Objetivo: Avaliar a ocorrência de quedas em mulheres na pós-menopausa e a associação com a força muscular, a mobilidade funcional e a flexibilidade. Metodologia: Trata-se de um estudo de corte transversal com 286 mulheres na pós-menopausa com idade 50-65 anos, em amenorreia há pelo menos 12 meses. As participantes responderam a questionário para avaliação clínica, histórico de quedas (últimos 12 meses). A força muscular de membros inferiores foi avaliada pelo teste de sentar e levantar, a força de membro superior pelo teste da preensão manual (dinamometria), a mobilidade funcional pelo Timed Up and Go e a flexibilidade pelo teste de sentar e alcançar com o banco de Wells. Para a análise estatística, empregaram-se os testes t-student, Qui-Quadrado, distribuição Gama e Regressão Logística. Resultados: A ocorrência de quedas nos últimos 12 meses foi de 33,2% (95/286) e o histórico de queda recorrente de 9,1%. O local de maior ocorrência de quedas foi em casa com 55,8% (53/95) dos relatos, seguido da rua 32,6% (31/95), trabalho 7,4% (7/95) e outro local 4,2% (4/95). Na comparação das características clínicas e antropométricas entre as mulheres com e sem histórico de queda não foram observadas diferenças estatisticamente significante (p>0.005). As mulheres com quedas apresentaram menor força muscular de membro superior dominante (p=0.021) e membros inferiores (p=0.002) e reduzida mobilidade funcional (p=0.032) quando comparadas a mulheres sem queda. Verificou-se associação significativa na redução de quedas com a força muscular de membros inferiores (OR 0.83; IC 95% 0.74 – 0.94) e a força muscular do membro superior dominante (OR 0.94; IC 95% 0.89 – 1.00). As demais variáveis analisadas não demonstraram significância. Conclusão: Em mulheres na pós-menopausa, a ocorrência de quedas associou-se à redução da força muscular e mobilidade funcional. A força muscular do membro superior dominante e dos membros inferiores foi considerada como fator protetor para quedas. Sugere-se que os resultados obtidos neste estudo sejam utilizados para subsidiar estratégias de intervenção precoce para prevenção de quedas em mulheres na pós-menopausa e idosas.

Veja o artigo completo: PDF