Resumo Trabalho

INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS DE ANTI-HIPERTENSIVOS EM PESSOAS DA TERCEIRA IDADE

DENIZE CABRAL DE MELO e orientado por ROSALINA COELHO JÁCOME

O ENVELHECIMENTO PODE SER MARCADO POR EVENTOS COMO ALTERAÇÕES FISIOLÓGICAS, METABÓLICAS E PATOLÓGICAS, TENDO COMO DECORRÊNCIA AS DOENÇAS CRÔNICAS, COMO A HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA (HAS) ASSOCIADA A OUTRAS DEGENERAÇÕES DECORRENTES DA IDADE, DESSA FORMA O PRESENTE ESTUDO TEM POR OBJETIVO APONTAR E DISCUTIR AS INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS DE ANTI-HIPERTENSIVOS COM OURAS CLASSES MEDICAMENTOSAS E QUAL METODOLOGIA PODERIA SER ADOTADO PARA MINIMIZAR ESSAS INTERAÇÕES, POR MEIO DO CONHECIMENTO PRÉVIO E DA ASSISTÊNCIA PRESTADA PELO FARMACÊUTICO O PROFISSIONAL QUE MAIS CONHECE SOBRE MEDICAMENTOS. TRATA-SE DE UM ESTUDO COM ÊNFASE EM LEVANTAMENTO BIBLIOGRÁFICO, CUJOS DADOS FORAM RETIRADOS DE PLATAFORMA COMO O SCIELO, LILACS, NCBI, BIREM E PUBMED, COM OS SEGUINTES DESCRITORES: “INTERAÇÃO DE MEDICAMENTOS”, “ANTI-HIPERTENSIVOS”, “IDOSO”, “TERCEIRA IDADE”, “HIPERTENSÃO”. O CONHECIMENTO SOBRE INTERAÇÕES MEDICAMENTOSAS COM ANTI-HIPERTENSIVO PODE EVITAR A INEFICÁCIA TERAPÊUTICA, PROBLEMAS DECORRENTES DE ASSOCIAÇÕES INDEVIDAS, COMO A POLIFARMÁCIA, AO USO IRRACIONAL DE MEDICAMENTOS E FAVORECER CONSEQUENTEMENTE UMA TERAPIA SEGURA, EFETIVA E RACIONAL, GARANTINDO A ESSE GRUPO DE IDOSOS O CONTROLE DA HIPERTENSÃO ARTERIAL FAVORECENDO, PORTANTO, A UMA MELHOR QUALIDADE DE VIDA.

Veja o artigo completo: PDF