Resumo Trabalho

EVENTOS ADVERSOS E SUA ASSOCIAÇÃO NO DESFECHO DE INTERNAÇÃO EM IDOSOS

CELITA SALMASO TRELHA, INGRID PAOLA DOS SANTOS, FERNANDA CRISTIANE DE MELO e orientado por MARA SOLANGE GOMES DELLAROZA e orientado por MARA SOLANGE GOMES DELLAROZA

O envelhecimento está associado à diminuição de reservas fisiológicas e aumento do risco para desenvolvimento de doenças. Quando ocorre um processo agudo de doença, geralmente o idoso tem menor capacidade fisiológica de superar as lesões, tornando-se mais vulnerável e frágil. O objetivo do estudo foi analisar a ocorrência de eventos adversos e sua associação no desfecho de internação hospitalar de idosos. Trata-se de um estudo transversal e a coleta de dados foi realizada por meio de entrevista e análise de prontuários de idosos internados em um hospital público terciário da região norte do Paraná. Foram analisadas as seguintes variáveis: desfecho (óbito, alta ou transferência), a ocorrência ou não de lesão por pressão, pneumonia, relato de agitação ou confusão mental, relato de queda e suas consequências. Para a análise de dados foi utilizado o programa Epi Info 3.5.4 e utilizou-se o teste do qui-quadrado para verificar a associação entre as variáveis categóricas. A pesquisa foi aprovada pelo Comitê de Ética Envolvendo Seres Humanos da Universidade Estadual de Londrina. Foram analisados 104 prontuários, sendo 74% do sexo feminino, 76 (73,1%) com até 74 anos e 52,9% referiram ter concluído o ensino fundamental. Do total de idosos internados, 76,9% tiveram alta e 23,1% foram a óbito. Em relação ao óbito foram encontradas significância estatística entre o tempo de internação maior que 10 dias (p=0,04), pneumonia (p=0,0005), lesão por pressão (p=0,000000009) e agitação (p=0,0002). A infecção hospitalar teve associação entre o tempo de internação maior que 10 dias (p=0,04). Também foi encontrada associação entre pneumonia e o tempo de internação maior que 10 dias (p=0,02) e lesão por pressão com tempo de internação maior que 10 dias (p=0,0003). Verificou-se que as pessoas idosas internadas analisadas no presente estudo foi predominantemente do sexo feminino, com até 74 anos de idade e analfabetas ou concluíram apenas o ensino fundamental. A taxa de óbito foi 23,1% e com significância estatística entre o tempo de internação maior que 10 dias, pneumonia, lesão por pressão e agitação. Também verificou-se associação entre infecção hospitalar e o tempo de internação maior que 10 dias, pneumonia e o tempo de internação maior que 10 dias e lesão por pressão com tempo de internação maior que 10 dias. Este estudo destaca o sério problema dos eventos adversos na assistência hospitalar prestada ao idoso e a necessidade de prevenção desses durante a internação.

Veja o artigo completo: PDF