Resumo Trabalho

COMPARAÇÃO DA CAPACIDADE FUNCIONAL DE IDOSAS USUÁRIAS DAS ACADEMIAS DA TERCEIRA IDADE E NÃO PRATICANTES DE EXERCÍCIO FÍSICO

DANIEL VICENTINI DE OLIVEIRA e orientado por SÔNIA MARIA MARQUES GOMES BERTOLINI e orientado por SÔNIA MARIA MARQUES GOMES BERTOLINI

As academias da terceira idade (ATI) podem ser uma boa opção para a prática de exercício físico na terceira idade, pois é uma atividade gratuita, além de favorecer um bom ambiente de convívio social da população idosa, promovendo a melhora da capacidade funcional e qualidade de vida. Nesse sentido, o objetivo desse presente estudo foi de comparar a capacidade funcional de mulheres idosas que praticavam exercícios nas ATI e com as idosas não praticantes de nenhum tipo de exercício físico. Trata-se de uma pesquisa transversal, na qual participaram 80 idosas, divididas em dois grupos de 40: idosas não praticantes de exercício físico (G1) e idosas usuárias das ATI (G2). A capacidade funcional foi avaliada por meio dos testes do Protocolo de Avaliação Funcional do Grupo de Desenvolvimento Latino-Americano para Maturidade (GDLAM): caminhar 10 metros (C10m), levantar-se da posição sentada (LPS), levantar-se da posição de decúbito ventral (LPDV), levantar-se da cadeira e mover-se pela casa (LCMC), e vestir e tirar uma camiseta (VTC). Todos os testes foram utilizados para calcular o índice de GDLAM (IG), e os tempos foram calculados em segundos. Quanto menor a pontuação obtida, maior o nível de capacidade funcional. O GDLAM foi calculado da seguinte forma: [(C10m + LPS + LPDV + VTC) x2] + LCMC / 4. A análise dos dados foi realizada por meio do Software SPSS 22.0. A análise foi realizada mediante uma abordagem de estatística descritiva e inferencial. Foi utilizado frequência e percentual como medidas descritivas para as variáveis categóricas. Para as variáveis numéricas, inicialmente foi verificada a normalidade dos dados por meio do teste Kolmogorov-Smirnov. Como os dados não apresentaram distribuição normal, foram utilizadas Mediana (Md) e Quartis (Q1; Q3) para a caracterização dos resultados. Na comparação entre os grupos (Não praticantes e ATI), foi utilizado o teste “U” de Mann-Whitney. O teste de Qui-quadrado de Pearson (X2) foi utilizado para se observar as diferenças nas proporções das variáveis sócio demográficas entre os dois grupos. Considerou-se um nível de significância de p

Veja o artigo completo: PDF