Resumo Trabalho

CONHECIMENTO DE IDOSAS DE UMA UNIDADE DA ESTRATEGIA SAÚDE DA FAMÍLIA SOBRE PREVENÇÃO DO CÂNCER CERVICOUTERINO.

ANTÔNIO DE MEDEIROS PEREIRA FILHO, AUGUSTO ANTONIO DA FONSECA NETO, ALEXANDRE BEZERRA SILVA e orientado por ALEXANDRE BEZERRA SILVA

A elevada incidÊncia e mortalidade por cÂncer cervicouterino no Brasil justificam a implantaÇÃo de estratÉgias de controle da doenÇa, incluindo promoÇÃo À saÚde, prevenÇÃo, detecÇÃo precoce, tratamento e cuidados paliativos quando necessÁrios. Objetivou-se analisar os conhecimentos de mulheres idosas sobre o cÂncer cervicouterino. Estudo exploratÓrio-qualitativo. Projeto aprovado pelo ComitÊ de Ética em Pesquisa da Universidade Federal do CearÁ (protocolo no 660.902), a coleta de dados procedeu-se em fevereiro de 2015. Participaram da pesquisa 10 (dez) mulheres idosas, adscritas no Posto de SaÚde do Centro, na Cidade de AssÚ–RN. Foram incluÍdas mulheres a partir de 60 (sessenta) anos de idade, que nunca fizeram o exame de Papanicolau, e as que hÁ mais de trÊs anos nÃo o fazem e que jÁ tiveram cÂncer do colo do Útero. Excluiu-se da amostragem, mulheres com demÊncia, acamadas ou histerectomizadas. Optou-se pela entrevista individual semiestruturada. Os dados foram analisados atravÉs do mÉtodo de AnÁlise de ContÉudo de Bardin. Os principais resultados apontam que a maioria das idosas realizam o exame Papanicolau de forma esporÁdica e que desconhece a magnitude dessa patologia. Esses achados alertam para a necessidade de restruturaÇÃo da AtenÇÃo PrimÁria À SaÚde, com Ênfase para o carÁter da educaÇÃo em saÚde, sendo instrumento de construÇÃo do saber significativo, para que as mulheres se apoderem e tomem consciÊncia do seu papel de atoras no seu processo saÚde-doenÇa, aponta-se, tambÉm, a construÇÃo da necessidade de um olhar holÍstico À mulher idosa nesses serviÇos de saÚde.

Veja o artigo completo: PDF