Resumo Trabalho

MORADIA DIGNA NO PROJETO HABITACIONAL CIDADE MADURA: UMA QUESTÃO DE MOBILIDADE E ACESSO NO ENVELHECIMENTO ATIVO

ELAINE CRISTINA NASCIMENTO GUEDES , THAYNA ROQUE DE SOUSA LEMOS, NORMANDA NEVES CANDEIA, HAYDÊE CASSÉ DA SILVA e orientado por RAFAELA ELIDA DE FREITAS NEVES e orientado por RAFAELA ELIDA DE FREITAS NEVES

Introdução: O ambiente construído para que o idoso possa morar é fundamental na autonomia e independência, pois permite melhor agilidade na dinâmica do deslocamento para realização das tarefas, bem como nas atividades de vida diária. A moradia se torna digna quando os aspectos estruturais de se encontram constituídos por instrumentos que tragam confiança, segurança e domínio do espaço. Desta forma, justifica-se a importância deste estudo para evidenciar a estrutura de acessibilidade oferecida aos idosos do projeto habitacional em confluência com o estatuto do idoso e a necessidade daquele grupo de idosos moradores do condomínio, bem como fortalecer pesquisas que envolvem programas habitacionais para idosos. Portanto, objetivou-se evidenciar a estrutura de mobilidade e acesso oferecido ao idoso do projeto habitacional “Cidade Madura” do município de João Pessoa, PB, a partir do olhar dos moradores. Deste modo, espera-se contribuir para a ampliação de programas habitacionais para idosos no país assegurados pelos gestores públicos. Metodologia: Tratou-se de estudo do tipo Pesquisa-Ação de campo com análise qualitativa dos dados. A amostra foi do tipo não-probabilístico, selecionada por conveniência; composta por três idosos voluntários do condomínio “Cidade Madura”, João Pessoa/PB. Utilizaram-se os critério de inclusão da amostra: idosos acima dos 60 anos, ambos os sexos, boa capacidade cognitiva para responder aos questionamentos e participação voluntária. O instrumento utilizado para coletar os dados foi o roteiro de entrevista elaborado com o questionamento sobre a percepção dos idosos quanto a moradia projetada para pessoa idosa; ficha de avaliação; e, registro de imagens. Os dados coletados foram analisados qualitativamente através da análise de conteúdo proposto por Bardin. Resultados e discussões: Os dados coletados foram distribuídos e analisados em três categorias: (1) Benefícios da moradia própria; (2) Benefícios do local; (3) Sentimento de pertença, autonomia e independência. Na categoria 1 benefícios da moradia própria, o idoso percebeu nova realidade da diferenciação entre morar de aluguel e possuir o próprio ambiente. Na categoria 2 o ambiente está entre os fatores que influenciam a funcionalidade na velhice, oferecendo segurança, estímulos, controle pessoal e interação social. Na categoria 3 os idosos expressaram sentimentos de pertencer, de possuir o bem imóvel; sentimento de possuir como identidade é um ponto que emergiu, considerando maior independência e autonomia para execução de tarefas. Pode-se perceber que a estrutura de mobilidade e acesso oferecido pelo projeto habitacional “Cidade Madura” do município de João Pessoa/PB tem sua proposta fidelizada sob a ótica dos condôminos, pois se mostraram satisfeitos com a moradia atual, na utilização dos espaços adaptados. Conclusão: Houve a percepção de melhoria na qualidade de vida desde o aspecto financeiro ao físico e social, concebendo suporte nas condições saúde diante da oferta de espaços comuns que oportunizaram a proximidade nas relações pessoais e sociais.

Veja o artigo completo: PDF