Resumo Trabalho

O PAPEL SOCIAL DAS UNIVERSIDADES ABERTAS À TERCEIRA IDADE

MARIANA BARBOSA DA SILVA, JOSINALDO SANTOS DA COSTA, EMILENNY LESSA DOS SANTOS, LHAYSE DOS SANTOS LOPES e orientado por JANINE MELO DE OLIVEIRA e orientado por JANINE MELO DE OLIVEIRA

Introdução: A população brasileira está envelhecendo rapidamente. A profunda alteração nos padrões demográficos apresenta grande visibilidade na esfera pública. No início da década de 1970, foi criada a primeira Universidade da Terceira Idade, a partir daí, o movimento se difundiu por todo o mundo, alcançando milhões de pessoas idosas que, participam de várias atividades intelecto-culturais que contribuem para um envelhecimento ativo e, consequentemente, para uma velhice bem-sucedida. Objetivo(s): Relatar o papel social das Universidades Abertas à Terceira Idade. Metodologia: Trata-se de um relato de experiência vivenciado por acadêmicos de enfermagem e medicina da Universidade Estadual de Ciências da Saúde de Alagoas-UNCISAL, enquanto monitores da Universidade Aberta à Terceira Idade do Estado de Alagoas. Resultados e Discussão: O idoso que participa da Universidade Aberta à Terceira Idade tem oportunidade de vivenciar experiências enriquecedoras. O programa dá ao indivíduo a oportunidade de obter suporte emocional, informacional e instrumental, podendo ter efeitos positivos no enfrentamento do estresse e, consequentemente, contribuem para a conquista de um envelhecimento saudável. Conclusão: Com a participação no projeto, os idosos têm incentivos a buscar e manter sua autonomia e independência, podendo conviver com pessoas da mesma geração, conquistando novas amizades e também obtendo suporte da sociedade, coisas que são imprescindíveis para uma boa velhice, com bem estar e qualidade de vida. Ressaltando o importante papel social para esse público alvo desenvolvido pelas Universidades Abertas.

Veja o artigo completo: PDF