Resumo Trabalho

REABILITAÇÃO VOCAL EM UMA PACIENTE COM DOENÇA DE PARKINSON: RELATO DE EXPERIÊNCIA

MAYARA KEROLYN DE SOUZA, ALCINEIDE DA SILVA PIMENTA, PATRÍCIA MARIA LIMA DA SILVA e orientado por ANA NERY BARBOSA DE ARAÚJO e orientado por ANA NERY BARBOSA DE ARAÚJO

Introdução: O envelhecimento é associado ao acúmulo de uma grande variedade de danos moleculares e celulares, aumentando o risco de contrair diversas doenças e um declínio geral na capacidade intrínseca do indivíduo. Uma doença muito comum no envelhecimento é a Doença de Parkinson (DP). Na DP um dos aspectos que é prejudicado é a comunicação oral, na qual a voz é mais frequentemente afetada que os outros subsistemas. Os efeitos da DP na produção vocal são caracterizados pelos seguintes aspectos: intensidade reduzida e voz monótona, qualidade vocal rouca, soprosa, discretamente tensa, com instabilidade fonatória, velocidade irregular, articulação imprecisa, repetição de fonemas, com graus variados de redução de inteligibilidade. O fonoaudiólogo é o profissional especializado para o processo de reabilitação nas alterações da fala e voz dos pacientes com Parkinson. O objetivo desse estudo foi melhorar a qualidade vocal e favorecer uma fala inteligível que permitisse uma comunicação eficiente a uma paciente com DP, com a comunicação oral reduzida, utilizando um plano terapêutico voltado para as necessidades da paciente. Método: O estudo trata-se de um relato de caso de uma paciente do sexo feminino de 70 anos, com doença de Parkinson, acompanhada em uma clínica escola de Fonoaudiologia. O plano fonoaudiológico se desenvolveu durante 8 sessões de 40 minutos, uma vez por semana, no período de março a junho de 2017. Na avaliação inicial pode-se achar na paciente uma qualidade vocal com uma discreta rugosidade e uma loudness fraca. As alterações surgiam com mais intensidade na fala tendo uma imprecisão articulatória, voz monótona, velocidade de fala lentificada. O plano terapêutico foi construído a partir de uma combinação de exercícios já propostos na área de reabilitação vocal nos seguintes eixos: respiração, ressonância, articulação, fonação e prosódia, utilizando um enfoque de pensar forte e falar forte. Cada atividade foi colocada de menor a maior complexidade com o objetivo de aumentar o grau de exigência para a paciente. Resultados e discussão: Ao final foi realizada uma reavaliação dos aspectos vocais, obtendo-se uma fala forte, sem rugosidade, uma velocidade e prosódia adequada. Ao longo da terapia, obteve- se resultados muito satisfatórios. O principal motivo que propiciou o sucesso terapêutico foi os eixos propostos, serem trabalhados de forma integrada, além da dedicação/empenho da paciente. Outro fator importante que corroborou com a evolução do caso, foi a medicação sendo administrada com meia hora de antecedência antes do inicio das sessões, isso possibilitava um maior rendimento muscular da paciente visto que a mesma já encontrava- se na fase on, ou seja, na fase ativa e com disposição. Conclusão: O objetivo geral do planejamento terapêutico foi cumprido, visto que se conseguiu melhorar a qualidade vocal, além de tornar a fala mais inteligível permitindo uma comunicação eficiente nos diferentes contextos sociais. Foi sugerido uma medida de monitoramento fonoaudiológico e acompanhamento em atividade de grupo para estimular a comunicação e interação interpessoal, inserindo a paciente no grupo de convivência de pessoas com DP, no qual varias atividades são realizadas e principalmente o teatro que estimula a comunicação oral.

Veja o artigo completo: PDF