Resumo Trabalho

MULTIMORBIDADE E MEDIDAS ANTROPOMÉTRICAS EM RESIDENTES DE UM CONDOMÍNIO EXCLUSIVO PARA IDOSOS

JANUSE NOGUEIRA DE CARVALHO , LARISSA GUERRA OLIVEIRA, PAOLLA JESSICA DA CUNHA, SAMUEL DE SOUSA NANTES e orientado por JANUSE NOGUEIRA DE CARVALHO e orientado por JANUSE NOGUEIRA DE CARVALHO

É função das políticas públicas contribuir para que mais pessoas alcancem idades avançadas com o melhor estado de saúde possível, tendo o envelhecimento ativo e saudável como objetivo nesse processo. Considerando o conceito ampliado de saúde tornam-se necessárias mudanças no contexto atual em direção à produção de um ambiente social e cultural mais favorável para população idosa.Nesse sentido, configura-se o condomínio exclusivo para idosos como espaço nos quais são valorizados o convívio e a interação entre os residentes, pois geralmente apresentam estrutura física planejada e adequada às especificidades e necessidades dos idosos, contribuindo para a manutenção de sua autonomia e qualidade de vida.Dentre os fatores que aumentam o risco de complicações de saúde, especialmente na população idosa, a presença simultânea de duas ou mais condições crônicas em um indivíduo, conhecida por multimorbidade aumenta o risco de morte, incapacidade, mau estado funcional, má qualidade de vida, eventos adversos de drogas e outros desfechos adversos.O objetivo do estudo foi descrever a multimorbidade autoreferida e os indicadores antropométricos em residentes em um condomínio exclusivo para idosos.O estudo do tipo transversal consta de resultados parciais de um projeto de pesquisa e extensão universitária intitulado “Viver com mais saúde na cidade madura” que vem sendo desenvolvido pela pesquisadora e alunos da Universidade Federal de Campina Grande.Os dados foram coletados por entrevista nos 46 residentes de 60 anos ou mais através de um formulário que teve como base o questionário da Pesquisa Nacional de Saúde 2013.A média de idade dos residentes foi de 72 anos. A maioria era de mulheres (72,2%), pessoas solteiras (38,9%), e que não haviam completado o ensino fundamental.A maioria dos idosos encontrava-se acima do peso (61,1%) e com multimorbidade (83,3%).Conclui-se que os fatores de risco para multimorbidade devem ser continuamente avaliados por profissionais qualificados, no intuito de minimizar as complicações advindas de múltiplas condições crônicas dos idosos.

Veja o artigo completo: PDF