Resumo Trabalho

AVALIAÇÃO DOS NÍVEIS DE LIPOPEROXIDAÇÃO EM MULHERES NO PERÍODO DO CLIMATÉRIO COM E SEM SÍNDROME METABÓLICA

DAIANA MEGGIOLARO GEWEHR, CHRISTIANE DE FÁTIMA COLET e orientado por EVELISE MORAES BERLEZI e orientado por EVELISE MORAES BERLEZI

INTRODUÇÃO: A síndrome metabólica (SM) é caracterizada pela associação da obesidade abdominal, resistência insulínica, dislipidemia e Hipertensão Arterial Sistêmica (HAS). A SM é uma condição complexa e com múltiplos fatores determinantes, dentre eles destaca-se os elevados níveis de estresse oxidativo (EO), que apresenta como característica o aumento na concentração de espécies reativas de oxigênio (EROs). Quando os EROs atuam sobre os lipídios presentes na membrana mitocondrial inicia-se a peroxidação lipídica. A formação de produtos de peroxidação lipídica causa danos ao organismo que são altamente prejudiciais; por alterar a permeabilidade, a fluidez e a integridade das membranas, e eventualmente resultar em citotoxicidade grave, dando origem ao crescimento celular descontrolado ou a morte celular. O objetivo do presente trabalho foi verificar os níveis de TBARS de mulheres no período do climatério com e sem SM. METODOLOGIA: Trata-se de um estudo transversal e analítico, com população constituída por mulheres, com idade entre 35 e 65 anos, com cadastro ativo nas Estratégias Saúde da Família do município de Ijuí/RS. Para a classificação da SM utilizou-se os critérios estabelecidos pela I Diretriz Brasileira de Diagnóstico e Tratamento da Síndrome Metabólica proposto pelo National Cholesterol Education Program’s Adult Treatment Panel III. Para dosar o nível de dano oxidativo em lipídeos foi utilizada a determinação de TBARS segundo técnica de Stock e Dormandy (1971). RESULTADOS: Participaram do estudo 59 mulheres. A prevalência de SM foi identificada em 37% (22) das mulheres; 67,8% (40) das mulheres apresentavam circunferência abdominal aumentada; 66,1% (39) apresentavam níveis do HDL-Colesterol abaixo do recomendado. Em relação a dosagem de TBARS, verificou-se que o grupo com SM apresentou valores mais elevados, porém sem diferença estatística entre os grupos (p=0,462), a média entre as mulheres com SM foi de 12.73±5.18 nmol MDA/ml, entre as mulheres sem SM a média de TBARS foi de 11.71±5.05 nmol MDA/ml. Quando considerados os componentes individuais da SM a circunferência abdominal e a glicemia de jejum apresentaram diferença entre os grupos. CONCLUSÕES: Os valores de TBARS não diferiram entre as mulheres com e sem SM. Ao avaliar os componentes isolados da SM, observou-se aumento significativo dos valores de TBARS nas mulheres que apresentam os valores de glicemia de jejum e circunferência abdominal acima do recomendado. Nesse sentido, a DM e obesidade parecem contribuir para o aumento da liporeroxidação lipídica.

Veja o artigo completo: PDF