Resumo Trabalho

RISCO DE QUEDAS E FATORES DE RISCO ASSOCIADOS EM IDOSOS COM OSTEOARTROSE: UM ESTUDO QUANTITATIVO

HAYDÊE CASSÉ DA SILVA, MARIA DAS GRAÇAS DUARTE MIGUEL, KAROLINE DE LIMA ALVES, LAURA DE SOUSA GOMES VELOSO e orientado por MARIA ADELAIDE SILVA PAREDES MOREIRA e orientado por MARIA ADELAIDE SILVA PAREDES MOREIRA

Trata-se de um estudo transversal, de análise correlacional e abordagem quantitativa. Como instrumento de pesquisa utilizou-se a escala de Kendall para análise da força muscular de quadríceps, Questionário de MacGill para avaliação da dor, a Escala de Risco de Quedas de Downtown e a Escala de Equilíbrio de Berg, além de questionário sociodemográfico e epidemiológico, para caracterizar a população estudada. Os dados coletados foram tratados utilizando o programa estatístico SPSS (Statistical Package for the Social Sciences), versão 13.0. Para a verificação da normalidade dos dados, foi utilizado o teste de Kolmogorov-Smirnov (K-S), além da análise de correlação de Pearson entre as variáveis dependentes. Em toda a análise estatística, foi considerado um intervalo de confiança (IC) de 95% e um p= 0,05. A análise descritiva do risco de quedas demonstrou que 83,7% dos idosos participantes eram tendenciosos a episódios de quedas, confirmado pela baixa média de pontuação da Escala de Equilíbrio de Berg (média de 32,27 e variação de ± 8,040) e pela média obtida na Escala de Downtown (3,13 e variação de ± 1,407). Ao relacionar as variáveis categóricas dependentes, o Índice de Correlação de Pearson demonstrou forte associação entre dor e risco de queda, com p=0,014, mostrando relação estatisticamente significativa. Para esse estudo, não houve correlação entre força muscular de quadríceps as demais variáveis, indicando não haver associação entre o risco de cair com a função muscular.

Veja o artigo completo: PDF