Resumo Trabalho

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA EM IDOSOS EM HEMODIÁLISE ATRAVÉS DO CASP-19

LUANA KETLEN CAVALCANTI DE LIMA FELIX e orientado por SAULO BARBOSA VASCONCELOS DE ALENCAR e orientado por SAULO BARBOSA VASCONCELOS DE ALENCAR

Introdução: A doença crônica renal (DRC) é uma patologia multicausal caracterizada por falência dos rins, os tratamentos incluem a hemodiálise, diálise peritoneal e transplante renal. Dentre os doentes renais crônicos 32,5% dos pacientes em hemodiálise tem idade igual ou superior a 65 anos. Desta forma, é visto que há uma necessidade de avaliar a qualidade de vida (QV) desta população; para tal, o CASP-19 provou ser um instrumento eficiente e objetivo, com boas propriedades psicométricas, pois é uma medida que abrange os aspectos positivos e benéficos do processo de envelhecimento. Portanto, este estudo tem como objetivo avaliar a QV de idosos em hemodiálise, a partir do questionário CASP-19, assim como fatores que possam estar associados a uma pior QV. Metodologia: Trata-se de um estudo quantitativo do tipo transversal, realizado na cidade de Recife, na clínica de hemodiálise do Real Hospital Português (RHP) no ano de 2016; A amostra do estudo foi constituída por pacientes de ambos os sexos, com idade igual ou superior a 60 anos, em tratamento de hemodiálise. Para coleta de dados foram utilizados o CASP-19 e questionários padronizados sobre características sociodemográficas e clínicas dos pacientes. Resultados e Discussão: A amostra é composta por 67 idosos, 49 do sexo masculino e 18 do sexo feminino. O escore médio do CASP-19 foi de 31,25 pontos, desta amostra, 34 pacientes tiveram escores iguais ou superiores (melhor qualidade de vida) e 33 pacientes escores inferiores (pior qualidade de vida). Houve uma tendência a pior qualidade de vida entre as mulheres, e em pacientes com passado de transplante renal. As características sociodemográficas encontradas neste estudo foram semelhantes à de outros idosos em estudos de perfil de pacientes renais crônicos. Na amostra, foi encontrada uma pior QV entre os idosos que tinham sido submetidos a transplante renal no passado, supomos que possa estar relacionada a frustrações com o tratamento renal substitutivo, contudo, outros estudos são necessários para elucidar tais hipóteses. Conclusão: Avaliações da QV desta faixa etária em tratamento hemodialítico são importantes, pois oferecem elementos essenciais para a equipe de saúde analisar e implementar medidas de assistência humanizadas e adequadas com vista à melhoria do bem-estar destes idosos.

Veja o artigo completo: PDF